Terremoto mata centenas na fronteira entre Irã e Iraque

Deutsche Welle
Tremor de magnitude 7,3 abala cidades nos dois países do Oriente Médio, sendo sentido também nas capitais Teerã e Bagdá; autoridades confirmam mais de 330 mortos e milhares de feridos

Um terremoto de magnitude 7,3 na escala Richter abalou no domingo (12/11) a região norte da fronteira entre o Irã e o Iraque, deixando mais de 330 mortos nos dois países do Oriente Médio, além de mais de 2.800 pessoas feridas.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A maior parte das vítimas foi do lado iraniano. A emissora estatal divulgou o número de 328 pessoas mortas e mais de 2.530 feridos somente no Irã.

A área é uma região rural, montanhosa, onde os residentes dependem basicamente da agricultura para sobreviver. O tremor matou ao menos sete pessoas no Iraque e feriu mais de 300 – todas na região curda semiautônoma do norte do país, segundo o Ministério do Interior do Iraque.

O terremoto teve seu epicentro a 31 quilômetros da cidade de Halabja, no leste do Iraque, de acordo com medições do serviço geológico americano.

O tremor eclodiu a uma profundidade de 23,2 quilômetros e chegou a ser sentido na costa do Mar Mediterrâneo, na Turquia e em Israel.

O maior dano aparentemente ocorreu na província de Kermanshah, no oeste iraniano, localizada nas montanhas de Zagros, que separam o Irã e o Iraque.

Trump mantém acordo nuclear com Irã, mas anuncia que não vai certificá-lo e quer mudanças

Reino Unido, França, Alemanha e Rússia reafirmam compromisso com acordo nuclear com Irã

Estados Unidos pressionam ONU para que órgão tome medidas contra Irã

 

Reuters/Tasnim News Agency

Terremoto deixou centenas de mortos no Iraque e no Irã

Redes sociais e agências de notícias iranianas mostraram imagens e vídeos de pessoas fugindo de suas casas no meio da noite. Mais de 100 réplicas foram sentidas. Serviços de resgate dizem que o número de vítimas deve subir.

O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, ofereceu suas condolências na manhã desta segunda-feira (13/11) e pediu aos socorristas e às agências governamentais que façam todo o possível para ajudar os afetados. A agência semioficial de notícias Ilna reportou que ao menos 14 províncias no Irã foram afetadas pelo terremoto.

No Iraque, o tremor sacudiu edifícios e casas de Irbil até Bagdá, onde pessoas fugiram para as ruas. Residentes da capital relataram pânico e correria.

"Eu estava jantando na mesa com meus filhos quando, de repente, senti o prédio dançar no ar", contou Majida Ameer, que então correu para fora do edifício com as crianças. "Primeiro pensei que era uma bomba. Mas então ouvi pessoas ao meu redor gritando 'terremoto!'."

A cidade iraquiana de Halabja, a mais próxima do epicentro, é conhecida pelo ataque químico de 1988, no qual o regime de Saddam Hussein matou cerca de cinco mil pessoas com gás mostarda – o ataque de armas químicas mais mortal já realizado contra civis.

O Irã está localizado sobre falhas geológicas e é propenso a terremotos. Em 2003, um sismo de magnitude 6,6 destruiu a cidade histórica de Bam, matando aproximadamente 26 mil pessoas. O último grande terremoto ocorrido no Irã atingiu a província do Azerbaijão Oriental, em agosto de 2012, causando a morte de mais de 300 pessoas.

PV/ap/dpa/rtr/afp/efe

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Mugabe reaparece em público após intervenção militar

Oficialmente em prisão domiciliar, presidente do Zimbábue é visto em público pela primeira vez desde que Forças Armadas assumiram o controle do país; sua saída do poder, após quase quatro décadas, ainda é incerta.