Jovem mapuche é assassinado com tiro pelas costas na Argentina

Protestos contra a morte e violações de direitos humanos foram realizados em diversos pontos do país no último domingo

O ativista integrante da comunidade mapuche Rafael Nahuel foi assassinado, neste sábado (25/11), durante uma reintegração de posse realizada pela polícia argentina na comunidade Lof Lafken Winkul Mapu, localizada na Villa Mascardi, em Bariloche, no sul da Argentina. Além do assassinato de Rafael, outras duas pessoas ficaram feridas por disparos de bala.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Os membros da comunidade mapuche protestavam contra a reintegração de posse e foram reprimidos por agentes da Polícia Nacional argentina, que dispararam com armas de fogo contra os manifestantes.

O assassinato de Nahuel coincidiu com o velório de Santiago Maldonado, vítima de desaparecimento forçado após a repressão contra uma manifestação de apoio à comunidade mapuche na província argentina de Chubut, na região patagônica do país. Santiago desapareceu no dia 1° de agosto deste ano e foi encontrado no dia 18 de outubro, após mais de setenta dias de seu desaparecimento.

Argentina investiga 'ruído' em área de busca por submarino desaparecido

Marinha argentina confirma 'explosão' em região onde submarino entrou em contato pela última vez

Argentina faz 'missão final' para tentar encontrar submarino desaparecido no Atlântico

 

Resumen Latinoamericano

Representantes da comunidade mapuche exigiram justiça por Rafael Nahuel e denunciaram a perseguição do governo contra os povos originários

Neste domingo (28/11), cerca de 250 pessoas, como informa o Resumen Latinoamericano, foram às ruas de Buenos Aires, capital do país, para protestar contra o assassinato do jovem mapuche. A manifestação reuniu integrantes de organizações dos povos originários, de defesa dos direitos humanos e outras organizações que criticaram o "avanço violento das forças de segurança que já tirou a vida de Santiago Maldonado e de Rafael Nahuel".  

Na cidade de Bariloche, cerca de duas mil pessoas se manifestaram contra o assassinato. Os manifestantes exigiram uma resposta imediata do governo argentino, considerado responsável pela perseguição ao povo mapuche.

O Ministério da Segurança Nacional informou, em um comunicado oficial, que agentes da prefeitura efetuaram disparos de bala após serem atacados por pessoas da comunidade. No entanto, alegam que os disparos ocorreram na direção das árvores do local e não contra as pessoas presentes.

(*) Publicado originalmente em Brasil de Fato

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Democracia

Democracia

A construção e a defesa da democracia envolve muitas áreas: feminismo, educação, história. Conheça alguns títulos da Alameda Casa Editorial sobre o tema.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias