Policiais se negam a reprimir protestos em Honduras e pedem que urnas sejam respeitadas

'Nosso povo é soberano e a eles devemos, portanto não podemos estar confrontando e reprimindo seus direitos', afirmou Direção Nacional de Forças Especiais da Polícia Nacional de Honduras

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Grupos de agentes policiais de Honduras se negaram, no início da madrugada desta terça-feira (05/12) a reprimir manifestações populares que protestam contra as possíveis fraudes no processo eleitoral do país. O presidente Juan Orlando Hernández foi anunciado como vencedor, mas o pleito é contestado pelo candidato de oposição Salvador Nasralla.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“Nosso povo é soberano e a eles devemos, portanto não podemos estar confrontando e reprimindo seus direitos”, afirmou a Direção Nacional de Forças Especiais da Polícia Nacional de Honduras, em um comunicado.

Os policiais pediram ao governo que busque a melhor saída para o conflito no país. “Advogamos que se recupere a paz e a tranquilidade para nosso povo o mais rápido possível”, afirma o texto.

Já à TV, um porta-voz do grupo, segundo a BBC Mundo, disse que o movimento é para manifestar ‘inconformidade com o que está passando a nível nacional”. “Nós somos povo e não podemos estar matando o próprio povo, nós também temos família.”

Mesmo sem EUA, países decidem manter Acordo Transpacífico e vão assinar nova versão em março

Morre, aos 103 anos, o 'antipoeta' chileno Nicanor Parra

Espanha pede reativação do mandado de prisão contra ex-presidente catalão Puigdemont; Justiça nega

 

Reprodução/Twitter


Grupos da Polícia Nacional de Honduras se recusaram a reprimir manifestações contra resultado eleitoral

Por sua vez, membros do esquadrão Cobras, grupo especial antimotins, apoiados também por agentes policiais preventivos, saíram de suas barracas no norte de Tegucigalpa e se recusaram a sair a fim de reprimir manifestantes que não estivessem cumprindo o toque de recolher determinado pelo governo.

Em comunicado lido a emissoras de TV hondurenhas, os Cobras pediram uma solução para a crise política. “Instamos ao Tribunal Eleitoral que respeite a vontade dos hondurenhos. Nossa posição não se deve a posições políticas, só queremos paz e tranquilidade”, afirmou o grupo.

Demora no resultado

Ante a demora no anúncio dos resultados das eleições presidenciais, os hondurenhos se mobilizaram pacificamente para exigir a difusão e defender os votos emitidos durante o pleito. Pouco depois, foram reprimidos pelas forças de segurança.

Na sexta-feira (01/12), o governo implementou um toque de recolher por 10 dias ante as manifestações.

(*) Com teleSUR

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias