Aula Pública Opera Mundi: o que a saída do Reino Unido representa para a União Europeia?

Giorgio Romano, doutor em sociologia pela USP e professor da UFABC, analisa os desdobramentos políticos e econômicos do Brexit

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, Giorgio Romano explica o que Brexit representa para a União Europeia


Após 44 anos na UE (União Europeia), o Reino Unido avança para sair do bloco europeu. Conhecida como "Brexit", a saída envolve um novo plano de organização econômica e social. No entanto, apesar do apoio de parte da população e também de dirigentes britânicos, a saída ainda desperta dúvidas, principalmente em relação às implicações comerciais. É fundamental, nesse sentido, contextualizar a participação histórica do Reino Unido na Europa para compreender como se desenha o futuro.

Essa é a análise de Giorgio Romano, doutor em Sociologia pela USP e professor da UFABC, ao discutir "O que a saída do Reino Unido representa para a União Europeia?", na Aula Pública. Para o especialista, a participação britânica nunca foi imediata e integral como a dos outros países europeus, o que significa não há possibilidade de uma ruptura radical.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"A Inglaterra nunca entrou de fato para a UE (União Europeia). É radical dizer isso, mas, numa perspectiva histórica, podemos notar que os britânicos sempre se consideraram diferentes dos outros países europeus, a tal ponto de não participar do processo de construção da Comissão Europeia — estrutura precursora da UE", diz.

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Giorgio Romano: o que a saída do Reino Unido representa para a União Europeia?

Aula Pública Opera Mundi: projeto 'Escola Sem Partido' ameça o livre pensamento?

Acordo comercial entre Mercosul e UE deve ser concluído neste ano, diz ministro das Relações Exteriores

UE renova licença do glifosato por cinco anos

 

No segundo bloco, Giorgio Romano responde perguntas do público da UFABC, em São Bernardo do Campo.


"Da direita à esquerda, nunca houve entusiasmo em relação à integração europeia na Inglaterra. Apenas setores financeiros e multinacionais eram entusiastas ao projeto de abertura das fronteiras. Em contrapartida, a principal diferença entre os países europeus e os ingleses é sobre a integração política e econômica. Inglaterra sempre defendeu um comércio livre, mas sem regulações políticas e econômicas. É inimaginável para os ingleses que alguém possa tomar uma decisão que se sobreponha ao Parlamento — uma instituição milenar. Isso significa que, ao adentrar ao projeto europeu, o Reino Unido sempre tenta frear os avanços de integração. Para isso, criou mecanismos, como o opt out (escolher não participar), para estar na União Europeia de forma facultativa", explica Giorgio Romano.

Para o especialista, o voto contra a União Europeia no referendo, na verdade, representou um voto contra a austeridade e a crise que os britânicos enfrentavam. "Ninguém sabe ainda o que significa o Brexit e a saída da União Europeia. Há tanta legislação em comum, tanta integração, que as implicações ainda não foram estudadas com exatidão. Por exemplo, há 3,6 milhões de pessoas trabalhando e morando na Inglaterra com passaporte europeu", conclui.

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990