Trabalhadores e crise europeia

A receita da salvação que o FMI e o Banco Central Europeu dão a cada país é: retirar todos os direitos dos trabalhadores, sem disfarce

Grécia, Itália, Espanha, Portugal, Irlanda e por aí vai. O que significa esta crise europeia? Crise para quem? Quem ganha e quem perde com isso? Quem festeja e quem se desespera? Há um ponto que é central na crise destes países. Em todos eles os banqueiros e os grandes empresários repetem a mesma ladainha: para salvar o país, salvar o euro, salvar a Europa é preciso fazer um grande pacto. Um “pacto social”.

É preciso que “nosso” país, seja ele Grécia ou Espanha ou Itália, volte a ser competitivo, se não todos vamos para o buraco. Jornais e TVs e toda a mídia repetem essa ladainha o tempo todo... até convencer a maioria de que é preciso tomar medidas “técnicas”, não políticas para salvar o país do desastre.

A receita da salvação que o FMI e o Banco Central Europeu dão a cada país é: retirar todos os direitos dos trabalhadores, sem disfarce. O resumo da historinha é deixar que os patrões decidam como e por quanto contratar seus escravos, sem nenhuma lei que atrapalhe. A primeira medida é acabar com qualquer tipo de estabilidade no trabalho. Liberdade total do patrão para demitir sem pagar indenização. Tornar a demissão sem custos.

A segunda é rebaixar os salários sem Justiça e juízes para encher o saco. E isso, no setor público e no privado. A terceira é rebaixar o valor das aposentadorias. De uma hora para outra cortar pela metade o que era recebido. Na Espanha, a lei aprovada pelo Partido Popular (!) na semana passada, dá ao patrão o direito de mandar embora sem nenhum direito quem tiver nove faltas, mesmo com atestado médico, em dois meses.

A quarta medida é a mais cara ao FMI e Banco Europeu: fim do Contrato Coletivo de Trabalho, conquistado com décadas de milhares de greves. Com isso, todas as leis trabalhistas vão pro beleleu. Essa é a crise para os trabalhadores.

O que sobra para o povo destes países? Para os trabalhadores? Não importa o nome do presidente ou primeiro ministro. É a mesma coisa. Os trabalhadores terão um nível de vida inferior em coisa de 70% ao que era há 30 anos, no polo mais rico do mundo. A alternativa é lutar até mudar toda a lógica do sistema que o neoliberalismo implantou. Lutar com quem? Com quais armas? Só há um caminho, duro, difícil e longo: reconstruir a rede de organizações de luta construídas durante dois séculos.

Reconstruir sindicatos, centrais e partidos de esquerda. O que tem hoje é só lembrança do que foi. É preciso ter clareza da retomada dos velhos temas da luta: conquistar direitos para os trabalhadores, construir outra sociedade que tem um nome antigo, mas atualíssimo, uma sociedade socialista. Sonho? É melhor sonhar e lutar para que o sonho se realize a esperar ajoelhado pedindo esmola até a morte chegar.

*Artigo originalmente publicado na edição impressa 470 do Brasil de Fato

*Vito Giannotti é escritor, ex-metalúrgico, autor de livros sobre comunicação e sindicalismo, e um dos coordenadores do Núcleo Piratininga de Comunicação no Rio de Janeiro

Milhares de italianos saem às ruas para pedir renúncia de Berlusconi

Depois de um trilhão de dólares

Grécia consegue perdão de 96% dos credores de sua dívida

 

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias