Agência da ONU alerta para derretimento recorde de gelo no mar Ártico

Segundo OMM, 2012 foi um dos anos mais quentes já registrado em 1850


A OMM (Organização Meteorológica Mundial), órgão ligado às Nações Unidas, alertou sobre um novo derretimento recorde de gelo no Mar Ártico. A agência também prevê que o ano de 2012 termine como um dos mais quentes já registrados desde 1850. Essas conclusões são resultado do Comunicado Provisório sobre o Estado Geral do Clima, divulgado nesta quarta-feira (28/11) durante a Conferência de Mudança Climática, que está sendo realizada em Doha, no Qatar.

De acordo com a agência, 2012 registrou um degelo 18% maior do que o ocorrido em 2007, o mais baixo registrado historicamente. Relatório do Pnuma (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) divulgou um relatório na terça-feira (27/11) em que aponta para a diminuição constante do pergelissolo, parte do solo que deveria estar permanentemente congelada no Ártico. As informações são da rádio ONU Brasil e do site Envolverde.

De acordo com Antônio Divino Moura, primeiro vice-presidente da agência, em entrevista à rádio ONU, foram derretidos quase 12 milhões de quilômetros quadrados de gelo no Mar Ártico entre março e setembro. “Isso é uma preocupação grande, mostra um sinal de aquecimento, um sinal de alerta, que deve preocupar bastante”.

Wikicommons

Ursos polares circundam submarino encalhado no Ártico

A agência também prevê que o ano de 2012 termine como um dos mais quentes já registrados desde 1850.

Pergelissolo

O degelo do pergelissolo pode ampliar o aquecimento global se as temperaturas continuarem subindo como o esperado, segundo o Pnuma. O pergelissolo cobre quase 25% do território do hemisfério norte e contém 1,7 mil gigatoneladas de carbono, o dobro do que existe atualmente na atmosfera.
 

Foto:

Emissão de gases de efeito estufa no mundo aumenta 30% entre 1990 e 2011

Começa a cúpula mundial da mudança climática em Doha

Aquecimento global está levando novas espécies ao Ártico, diz bióloga

 


O relatório do Pnuma chama a atenção justamente para o perigo das emissões de dióxido de carbono e de metano contidas nestas terras, serem liberadas por causa do degelo. Até agora, essas emissões não tinham sido incluídas nas previsões climáticas dos cientistas.Ele também recomenda uma análise especial do pergelissolo, a criação de uma rede de monitoramento e planos de adaptação para lidar com o impacto das emissões de carbono.

O diretor-executivo da agência, Achim Steiner, afirmou que o pergelissolo é uma das chaves do futuro do planeta porque contem matérias orgânicas congeladas. Segundo Steiner, se descongeladas e expelidas na atmosfera, essas matérias orgânicas podem aumentar o atual ritmo do aquecimento global.

Na conferência, centenas de representantes de governos, organizações internacionais e da sociedade civil estão reunidos para discutir maneiras de reduzir as emissões globais de carbono e o aquecimento global. As atualizações e valores finais do relatório de 2012 serão lançados em março.

Agênca Efe via Nasa

Imagem aérea mostrando o degelo do Mar Ártico

Temperatura

Apesar da influência de resfriamento causado pelo fenômeno climático La Niña no começo do ano, o período entre janeiro e outubro já é considerado o nono mais quente desde 1850, quando a série histórica de temperaturas começou a ser medida. A temperatura da superfície terrestre e dos oceanos foi 0,45° C acima da média global de 14,2° C. Segundo a OMM, o planeta vai enfrentar sérias consequências se o clima subir mais de 2° C além dessa média.

“A mudança climática está ocorrendo diante de nossos olhos, e continuará ocorrendo como resultado das concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera, que têm aumentado constantemente e alcançaram novamente novos recordes “, afirmou o Secretário-Geral da OMM, Michel Jarraud.

A entidade destaca também que vários eventos extremos foram observados em todo o mundo, nos primeiros dez meses do ano, entre eles a seca no Nordeste brasileiro, que enfrenta a pior seca dos últimos 50 anos. Além dela, ondas de calor atingiram a Europa e os Estados Unidos; enchentes afetaram a África Ocidental e a região do Sahel; neve e frio extremo atingiram partes da Europa e leste da Rússia, onde as temperaturas chegaram a -50° C. A atividade de ciclones tropicais causou 81 tempestades, sendo que algumas atingiram o status de furacão.
 

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas

Destaques

PUBLICIDADE

Notícias + Lidas

Milhares participam de Marcha pela Ciência

Protestos contra cortes na área científica propostos pela gestão Trump foram convocados em mais de 500 cidades; em Washington, cerca de 70 mil manifestantes se reúnem em frente à Casa Branca

Últimas Notícias

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE