Manifestação a favor da troika em Portugal era "irônica", dizem organizadores

Ato foi organizado, na verdade, para chamar atenção para protesto verdadeiro de sábado, contra os credores

A manifestação incomum de apoio à troika (grupo de credores internacionais - Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional) que reuniu cerca de 30 pessoas na tarde desta segunda-feira (21/10) em Lisboa era, na verdade, uma ironia dos organizadores. O ato, chamado de “Obrigado, troika”, foi montado pelo movimento "Que Se Lixe a Troika" para chamar atenção para a verdadeira manifestação, contra as medidas de austeridade, planejada para sábado (26).

Leia mais:
Governo de Cuba anuncia unificação monetária

No protesto irônico de ontem, as pessoas que se manifestavam mostravam cartazes em que se lia “Rasgue-se a Constituição”, “O SNS (Sistema Nacional de Saúde) só atrapalha” e “Vamos trabalhar mais horas”. Como divulgou o jornal Público, alguns participantes gritavam frases como “O povo que se lixe” e uma jovem chegou a dizer aos jornalistas que, com o fim do SNS, o povo poderia “fazer mais exercício e cuidar melhor da saúde”.

Leia mais:
Em apenas um dia, dívida dos EUA alcança crescimento recorde de US$328 bilhões

No final da intervenção, uma porta-voz que se apresentou como Camila Lourenço leu um discurso em que pedia “a todos os portugueses que não saíssem de casa no sábado”, porque “a austeridade está funcionando plenamente, pelo que não há razão nenhuma para protestar”. Depois disso, Lúcia Gomes, participante do "Que Se Lixe a Troika", afirmou aos repórteres que “esta foi uma forma original de apelar a todos os portugueses para que participem na manifestação de sábado”.

Depois de protestos, França permite retorno de imigrante deportada, mas não de sua família

Ex-oficial nazista será enterrado em lugar secreto, diz advogado

Gestão de Maduro é avaliada positivamente por maioria de venezuelanos, diz pesquisa

 

De acordo com Lúcia, essa foi a maneira que o movimento encontrou para ultrapassar o “bloqueio” que tem existido em relação à divulgação do ato no próximo sábado “em todos os órgãos da comunicação social”. Segundo a Agência Lusa, Lúcia ainda realçou que, mesmo a manifestação irônica tendo sido divulgada como a favor da troika, "não apareceu rigorosamente ninguém para apoiar as políticas do governo". “Temos levado a cabo formas de luta diferentes. Neste caso, optamos pela ironia, mas o que queremos é que a manifestação do dia 26 seja muito grande”, acrescentou.

O ato do sábado está sendo divulgado no Facebook e deverá se realizar em várias cidades portuguesas, incluindo a capital Lisboa. O objetivo é protestar contra "mais um orçamento do Estado de roubo" e o lema é “Não há becos sem saída!”. Até agora, no evento da rede social, mais de cinco mil pessoas já confirmaram presença. 

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Philip Roth: um escritor aberto ao outro

Aos poucos, a geração de escritores que me formou e que foi decisiva na minha opção por estudar a literatura contemporânea vai terminando; e eu vou ficando cada vez menos contemporâneo