Visita do papa a 'Muro da Vergonha' vale por dez anos de intifada palestina, diz especialista

Ida de Francisco à Terra Santa e encontro com presidentes da Palestina e Israel são emblemáticos, avalia o sociólogo Lejeune Mirhan

O encontro promovido pelo papa Francisco entre os presidentes de Israel, Shimon Peres, e da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, no Vaticano, para falar sobre a paz, e a visita papal à Terra Santa no final do mês passado são emblemáticas, avalia o sociólogo, professor, escritor e arabista Lejeune Mirhan, em entrevista a Opera Mundi. Para ele, Francisco "avançou mais do que qualquer outro líder do Vaticano" para fomentar o diálogo entre israelenses e palestinos. 

Agência Efe


Peres, Abbas, Francisco e o patriarca ortodoxo Bartolomeo plantaram uma oliveira como símbolo da paz ao término das orações

O fato de Francisco ter quebrado o protocolo ao descer do papamóvel e rezar pedindo paz no muro da Cisjordânia, conhecido como "Muro da Vergonha”, que separa Israel da Palestina, durante sua visita à região, “carrega muito significado. Esta atitude vale por dez anos de intifada”, disse Lejeune, referindo-se ao tipo de protesto comum na Palestina, em que pessoas atiram pedras contra o muro.

Leia também: Outro massacre israelense contra Gaza?

A reunião dos líderes no Vaticano realizada neste domingo (08/06) foi uma resposta ao convite feito por Francisco quando este visitou a Terra Santa. Embora não tenham dado nenhuma declaração política, os presidentes sinalizaram que o encontro, classificado pelo sociólogo como “surpreendente”, é um esforço a mais para avançar nas negociações para o fim do conflito na região. 

Agência Efe

Papa reza no Muro da Cisjordânia, em sua primeira visita à Terra Santa

Venezuela enviará diesel à Palestina como parte de novos acordos de cooperação bilateral

Israel autoriza construção de 50 novas casas em Jerusalém Oriental

Israel cancela permissões de viagem de ministros palestinos

 

Sinais emblemáticos

“Na diplomacia, você vive de sinais emblemáticos”, observa Lejeune, que destacou a importância dos gestos realizados pelo papa, que “representa uma igreja com 1,2 bilhão de seguidores em todo o mundo”. 

Leia também: Israel vive dilemas de sociedade murada

Ele avalia também que as ações de Francisco contribuem para o contínuo isolamento do primeiro ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e para a “contenção do radicalismo na região”. As atitudes do papa foram “muito bem recebidas pelos palestinos”, avalia o sociólogo. Os israelenses, no entanto, se dividem ao avaliar tais sinais. De acordo com a imprensa internacional, Netanyahu se mostrou contrariado pela participação de Peres no encontro com Abbas.

Agência Efe

Francisco disse aos líderes que "os filhos estão cansados e esgotados pelos conflitos e com vontade de chegar aos alvores da paz" 

A relação entre palestinos e israelenses voltou a piorar com a formação de um governo de unidade nacional entre o Partido Hamas e a OLP (Organização pela Libertação Palestina). Após o anúncio, Netanyahu suspendeu as negociações que vinham sendo realizadas e anunciou que vai impor sanções ao novo governo. 

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Mugabe reaparece em público após intervenção militar

Oficialmente em prisão domiciliar, presidente do Zimbábue é visto em público pela primeira vez desde que Forças Armadas assumiram o controle do país; sua saída do poder, após quase quatro décadas, ainda é incerta.