Israel é palco de atos violentos de gangues fascistas contra palestinos e pacifistas

Enquanto governo israelense aumenta ofensiva a Gaza, intolerância dentro do país chega a níveis inéditos

Em meio à ofensiva israelense à Faixa de Gaza, tornam-se mais frequentes e sistemáticos os ataques de gangues fascistas, que se organizam pelas redes sociais, para atacar civis palestinos e também agredir judeus de esquerda que se opõem à violência.

Um dos casos mais graves aconteceu na noite deste sábado (12/07), durante uma manifestação no centro de Tel Aviv.

Leia especial de Opera Mundi sobre os 65 anos do Estado de Israel

Cerca de 500 manifestantes se reuniram em frente ao Teatro Habima, exigindo um cessar-fogo imediato na Faixa de Gaza.

Veja imagens da manifestação no vídeo abaixo, cedido pelo cinegrafista Israel Puterman:


Um grupo de dezenas de ativistas de extrema-direita, portando bandeiras de Israel, chegou ao local e começou a agredir os manifestantes.

Em meio à manifestação, soaram os alarmes advertindo sobre foguetes lançados contra Tel Aviv a partir da Faixa de Gaza. Naquele momento, os poucos policiais que tentavam manter a ordem no local correram para os abrigos antiaéreos, deixando os manifestantes expostos à gangue.

Leia mais: Nova ofensiva militar israelense: 'margem protetora' ou 'penhasco sólido'?

“Quando os alarmes soaram, todos nós entendemos que os fascistas que estavam à nossa frente eram mais perigosos do que os foguetes, principalmente depois que os policiais correram para os abrigos”, relata o blogueiro Hagai Mattar, que estava no local.

“Os Leões”

Dezenas de manifestantes foram espancados por membros da gangue,  organizada por Yoav Eliassi, que lidera um grupo fascista chamado “Os Leões”.

Leia também: Israelenses desafiam maioria em protestos contra ataque à Faixa de Gaza

Eliassi convocou seus seguidores pela internet a protestar contra os manifestantes pacifistas e vários deles anunciaram, já pelo Facebook, que iriam “para bater”.

O incidente durou várias horas após a dispersão da manifestação, quando os membros da gangue perseguiram os manifestantes pelas ruas de Tel Aviv e invadiram e depredaram bares e restaurantes onde eles tentaram se refugiar.

Nova ofensiva militar israelense: 'margem protetora' ou 'penhasco sólido'?

Em comunicado, comandante de brigada israelense mistura religião e militarismo e promete ‘destruir o inimigo’

Israel manda palestinos deixarem o norte de Gaza para sua "própria segurança"

 

Aos gritos de “morte aos traidores!”, eles invadiram um café na Rua King George e quebraram móveis. Um manifestante foi hospitalizado depois que um dos “Leões” quebrou uma cadeira sobre sua cabeça.

“A situação foi assustadora. Já participei de muitas manifestações em Tel Aviv, mas uma coisa assim nunca aconteceu”, afirma Hagai Mattar.

Clima ameaçador

A ACRI (Associação de Direitos Civis em Israel) enviou um apelo ao Procurador Geral da Justiça, Yehuda Weinstein, exigindo que ele instrua a polícia a conter as gangues de vândalos que atacam e ameaçam civis palestinos nas ruas do país.

De acordo com a ACRI, nos últimos dias vem se multiplicando o número de ataques racistas em diversas cidades de Israel.

Activestills

Diversas cidades israelenses já testemunharam ataques de grupos fascistas

No dia 5 deste mês, um grupo de 50 membros do grupo racista “Kahane Vive” se reuniu em frente ao McDonalds na cidade de Pardes Hana gritando “morte aos árabes!”. No local trabalham funcionários das aldeias árabes israelenses da região e, no momento do ataque, também estavam clientes árabes, inclusive mulheres vestindo o véu tradicional islâmico. Testemunhas no local descreveram um “clima de terror”, com crianças chorando e pessoas apavoradas, enquanto a gangue fascista cercava o restaurante.

Segundo a ACRI, incidentes semelhantes também ocorreram nos últimos dias em Jerusalém e Nazaré. “O objetivo declarado desses atos é instalar medo entre os árabes para exclui-los dos espaços públicos”, afirma Avner Pinchuk, advogado da associação.

Jovem queimado vivo

Vale lembrar que o clima de incitamento no país já levou à morte de Mohammed Abu Khder, de 16 anos, queimado vivo por um grupo de adolescentes israelenses no dia 5. Os responsáveis já foram capturados pela polícia.

Segundo o editorial do jornal Haaretz, “julgar os assassinos não é suficiente, Israel tem que passar por uma revolução cultural”.

“Os líderes políticos e comandantes militares devem reconhecer a injustiça e corrigi-la. Eles devem começar a educar ao menos a nova geração, baseando-se em valores humanistas, e incentivar um discurso público de tolerância. Sem isso, a tribo judaica não será mais merecedora de seu Estado”, afirma o Haaretz.

(*) Guila Flint cobre o Oriente Médio para a imprensa brasileira há 20 anos e é autora do livro 'Miragem de Paz', da editora Civilização Brasileira.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington