Estado Islâmico: invasão a campo de refugiados palestinos causa catástrofe humanitária na Síria

Criado em 1957, campo de Al Yarmouk já foi lar de 160 mil pessoas em Damasco; com guerra civil síria e confronto de extremistas, há menos de 18 mil no local

Após a tomada de controle e invasão do Estado Islâmico, a situação humanitária é "catastrófica" no campo de refugiados palestinos de Al Yarmouk, situado a oito quilômetros ao sul de Damasco, declarou à Efe o porta-voz do Grupo de Ação para os Palestinos na Síria, Fayez Abu Eid, nesta segunda-feira (06/04).

EFE

Há mais de 3.500 menores submetidos a risco de mortes e traumas no campo, alerta agência da ONU


Nos últimos dias, o local se tornou palco de confrontos entre facções palestinas opositoras a Bashar al Assad e membros do grupo sunita extremista – que controlam pelo menos 90% do campo desde o fim de semana. Acredita-se que a infiltração tenha sido motivada sobretudo para atacar o grupo palestino Aknaf Beit al-Madqis.

À Al Jazeera, o porta-voz da Organização pela Libertação da Palestina, Ahmed Majdalani, explicou que um corredor humanitário para evacuação foi aberto em uma ação coordenada por grupos palestinos e pelo governo sírio.

O campo de refugiados passa por uma escassez de água e comida, denunciam grupos de direitos humanos. Durante as últimas horas, pelo menos 2.000 civis conseguiram fugir, apesar de muitas mulheres e crianças continuarem presos no local.

Terceira geração de palestino-israelenses reinventa ativismo antiocupação e por direitos civis em Israel

2014 foi o ano que Israel mais matou civis palestinos desde início da ocupação em 1967

Palestina torna-se membro do Tribunal Penal Internacional e poderá acusar Israel por crimes de guerra

 

No domingo (05/04), o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, declarou que foi criada uma célula de apoio para lidar com a tragédia e para trabalhar com a menor quantidade de perdas possível. “Estamos em contato com nossos irmãos que estão lá para encontrar um jeito de proteger nosso povo”, explicou Abbas.

Na quarta-feira (01/04), a UNRWA (Agência da ONU para os Refugiados Palestinos) expressou "preocupação extrema" pela segurança e a proteção dos civis sírios e palestinos no local. Segundo a agência das Nações Unidas, há mais de 3.500 menores no campo que estão sendo submetidos a "um risco extremo de morte, ferimentos graves, traumas e deslocamento".

Al Yarmouk foi criado em 1957 para funcionar como um campo de refugiados palestinos e acabou se tornando uma espécie de bairro residencial para mais de 160 mil habitantes, inclusive sírios. Com o estopim da guerra civil síria, em 2011, o local começou a ser gradualmente evacuado. Após a invasão de integrantes do Estado Islâmico na última semana, estima-se que seja ocupado por menos de 18 mil pessoas.

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Meu primeiro festival pornô

No PopPorn, festival de pornografia alternativa que acontece todos os anos em São Paulo desde 2010, repórter aprende sobre shibari e BSDM, acompanha performances sexuais e aprende como fazer seu próprio pornô