'Gangue de ladrões' tenta destituir Dilma Rousseff em 'golpe brando', diz Noam Chomsky

Para linguista e ativista norte-americano, elite brasileira 'detesta o PT e está usando essa oportunidade para se livrar do partido que venceu as eleições'


Clique para acessar todas as matérias e artigos de Opera Mundi e Samuel sobre impeachment

O linguista norte-americano e professor emérito do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts, na sigla em inglês) Noam Chomsky disse nesta terça-feira (17/05) que "uma gangue de ladrões" está tentando destituir a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, orquestrando "um golpe brando" no país. Chomsky fez a declaração em entrevista so site norte-americano Democracy Now!.


Saiba mais sobre a campanha de assinatura solidária de Opera Mundi

“Na verdade, temos a única líder política [Dilma] que não roubou para enriquecer e está sendo impedida por uma gangue de ladrões, que fizeram isso. Isso conta como um golpe brando”, disse Chomsky ao ser perguntado sobre se o que está ocorrendo na política brasileira pode ser classificado como “golpe de Estado”.

Andrew Rusk/Flickr CC

Segundo intelectual norte-americano, Dilma Rousseff foi afastada por "uma gangue de ladrões"

O linguista afirmou que os opositores de Dilma buscam chegar ao poder apesar da derrota nas últimas eleições presidenciais, em 2014. “A elite detestava o Partido dos Trabalhadores e está usando essa oportunidade para se livrar do partido que venceu as eleições. Eles não estão esperando pelas eleições, em que provavelmente perderiam, mas querem se livrar do PT, explorando uma recessão econômica, que é séria, e a corrupção massiva que foi exposta”, afirmou.
 

Rússia nega que míssil que abateu voo MH17 tenha sido lançado de áreas separatistas da Ucrânia

Encontro com Kabengele Munanga aborda trajetória do antropólogo congolês; assista

Ataque saudita a hospital no Iêmen foi 'injustificado', diz MSF em relatório sobre bombardeios

 

Chomsky pontuou que nos últimos “10 ou 15 anos” a América Latina “se libertou” do domínio estrangeiro, notadamente dos Estados Unidos. “É um desenvolvimento dramático nas relações mundiais, é a primeira vez em 500 anos”, disse. Ele afirmou ainda que, no passado, os EUA tinham capacidade e ainda tentam derrubar governos no continente, citando os golpes e as tentativas de golpe na Venezuela em 2002, no Haiti em 2004, em Honduras em 2009 e no Paraguai em 2012.

Chomsky também fez críticas aos governos do PT, que, segundo ele, “tiveram uma oportunidade real de realizar algo extremamente significante, fizeram algumas consideráveis mudanças positivas, mas apesar disso se juntaram ao resto — a elite tradicional no roubo indiscriminado”.

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias