Arqueólogos gregos acreditam ter encontrado túmulo de Aristóteles

Documentos indicam que cinzas de Aristóteles foram colocadas em um mausoléu, que os pesquisadores dizem ter encontrado na cidade natal do filósofo

Arqueólogos gregos acreditam ter descoberto o túmulo de Aristóteles em escavações realizadas durante mais de duas décadas na antiga cidade de Estagira, local de nascimento do filósofo.

"Não temos provas, mas indícios muito fortes de que beiram a certeza", declarou o diretor das escavações, Konstandinos Sismanidis, a veículos de imprensa locais.

Sismanidis apresentou hoje os resultados no congresso internacional "Aristóteles: 2.400 anos", realizado na Universidade de Salônica.

A equipe em torno de Sismanidis chegou à conclusão de que uma construção descoberta em 1996 nas citadas escavações não pode ser outra coisa que o mausoléu de Aristóteles, após analisar dois manuscritos que faziam alusão à transferência das cinzas do filósofo para sua cidade natal.

Os arqueólogos que trabalhavam em Estagira desde o início dos anos 1990 ficaram surpresos que no meio de uma fortificação do período bizantino houvesse destroços de uma edificação, cujas características não coincidiam com essa época nem com eras posteriores.

As descobertas no interior das ruínas da construção - moedas de Alexandre, o Grande, e de seus sucessores - situam seu erguimento no começo do período helenístico.

Wikimedia Commons

Busto de Aristóteles em Roma

Estudo revela que pinturas em caverna na França têm 30 mil anos, dez mil a mais que o estimado

Espanha: trabalhadores encontram 600 kg de moedas romanas durante escavação em Sevilha

Roma terá 1ª estação de metrô 'arqueológica' com fortaleza militar do século II d.C

 

Os destroços do teto achados neste sítio arqueológico demonstraram que a construção tinha sido coberta com telhas da fábrica real, o que demonstra que se tratava de um prédio público.

O local fica entre uma galeria do século V a.C. e um templo de Zeus do século VI a.C., dentro da antiga cidade, perto de sua ágora, e com vista panorâmica.

No piso do local há um retângulo de 1,30 por 1,70 metro, o que corresponde a um altar.

Todas estas indicações e o fato de que a forma da construção não permitia atribuir-lhe outro uso que o de um túmulo, fizeram os arqueólogos suspeitar de que se tratava de um mausoléu.

Finalmente, chegaram à conclusão que provavelmente a pessoa à qual era dedicado o mausoléu era Aristóteles, com a ajuda de dois documentos antigos: uma tradução em árabe do século XI d.C. de uma biografia do filósofo grego e o manuscrito N. 257 da Biblioteca Nazionale Marciana, de Veneza.

Ambos os documentos dizem que quando Aristóteles morreu em 322 a.C. na cidade de Calcis (atual Calcídia) os moradores de Estagira transferiram suas cinzas para uma urna de cobre, a puseram em um mausoléu e a ao lado delas construíram um altar. 

 

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington