Hoje na História - 1945: Morre Eva Perón, esposa do então presidente da Argentina

Eva Duarte Perón, a esposa do presidente argentino Juan Domingo Perón, morre aos 33 anos de um câncer uterino. Antiga vedete do rádio e do teatro, ela se fez conhecida por seu apoio aos pobres quando de uma grande manifestação dos “descamisados" em Buenos Aires em 1945. Com a chegada ao poder de Perón, ela se tornou a sua mais próxima colaboradora e seu carisma desempenha um papel primordial no sucesso político de seu marido. Perón viria a cognominá-la com o título de “chefe espiritual da nação”. Quando o rádio anunciou a morte de Evita, os argentinos em transe desceram às ruas em massa para manifestar sua dor.

Wikipedia


Evita Perón

Embalsamado, seu corpo ficou exposto à visitação pública até que, durante o golpe de Estado que derrubou Perón em 1955, seu cadáver foi roubado e enterrado em Milão, Itália. Dezesseis anos mais tarde, em 1971, o corpo foi exumado e transladado para a Espanha. Ali foi entregue ao ex-presidente Perón, que vivia exilado em Madri. O médico argentino que embalsamou Evita revelou que fora um trabalho perfeito, uma vez que, Evita parecia "uma boneca" devido a sua baixa estatura, pele alva e vestido de cetim branco.

Leia mais:
Hoje na história: Golpe militar tira Perón da presidência da Argentina
Hoje na História: Golpe militar instaura ditadura na Argentina
Cristina Kirchner apresenta Emília: Presidente da Argentina prefacia o Sítio do Picapau Amarelo

Morre o escritor argentino Tomás Eloy Martinez, autor de Santa Evita

Uma das principais figuras do movimento peronista, Eva Perón, ou simplesmente Evita, como ficou conhecida, conquistou os argentinos com sua política populista, que viam nela a esperança para os necessitados. Filha caçula de um grande proprietário de terras, Juan Duarte, com a sua amante, Juana Ibarguren, Eva Maria Ibarguren, seu verdadeiro nome, nasceu em 7 de maio de 1919, na pequena cidade de Los Toldos, nos pampas argentinos.

Wikipedia em Espanhol

Eva e seus irmãos no carnaval de 1921, quando ela tinha dois anos

Após passar sua infância em sua cidade natal, onde ela e seus quatro irmãos sofreram por serem filhos ilegítimos, Evita, aos 11 anos, mudou-se com a família para Junín, na província de Buenos Aires, onde, apesar do preconceito, suas irmãs conseguiram fazer bons casamentos e progrediram na sociedade. Quatro anos depois, foi sozinha para Buenos Aires para tentar alcançar o estrelato.

Só, sem recursos e com pouca instrução, Eva Perón passou por muitas dificuldades até chegar a ser uma atriz de certo renome no rádio, onde participava de um programa de muita audiência e fazia algumas peças de teatro. Em 1944, durante uma campanha de socorro às vítimas do terremoto de San Juan, ela conheceu o Juan Domingo Perón, que, aos 48 anos, se encantou com aquela moça de 24 anos e cabelos ainda escuros.

Rapidamente o romance entre os dois se tornou público, já que Perón, na época à frente do Ministério do Trabalho, gostava de chocar seus correligionários e amigos ao apresentá-la de maneira formal como sua amante. Após tingir os seus cabelos de loiro para um filme, que depois se tornou a sua marca registrada, Evita falsificou os seus documentos, transformando-se em Maria Eva Duarte, nascida em Junín, em 1923, para poder casar-se legalmente com o coronel Perón em uma cerimônia intima e para poucos amigos.

Após a sua forte atuação na campanha presidencial, que levou Perón ao poder em fevereiro de 1946, Eva foi convidada para uma viagem para a Itália, França, Espanha e Suíça, onde passou três meses e retornou com um novo guarda-roupa repleto de roupas de grife. Uma matéria publicada na revista Life, em 1950, mostrando seus inúmeros armários com jóias, peles, sapatos e vestidos de grandes estilistas causou espanto na comunidade internacional.

No papel de primeira-dama, Evita desenvolveu um trabalho intenso no lado político, criando o Partido Peronista Feminino e dando direito a voto às mulheres em 1947. Ao mesmo tempo, no lado social, desenvolveu a Fundação Eva Perón, onde trabalhava mais de 18 horas por dia distribuindo alimentos, roupas, construindo hospitais, escolas, lares para mães solteiras e asilos para idosos. Apesar de ter ganhado a simpatia da classe mais baixa da população, Evita era severamente atacada pela oposição, que transferiu para ela a antipatia e a rejeição que sentiam por Perón.

Impulsionada pelas massas para candidatar-se à vice-presidente numa chapa que teria Perón como presidente, Evita -que se encontrava doente em conseqüência de um câncer diagnosticado em 1946, mas que não foi cuidado- negou o pedido dizendo que seu "humilde coração de mulher Argentina" a impedia de assumir tal cargo.

Mais Hoje na História:
25 de julho de 1898: Forças norte-americanas invadem Porto Rico
24 de julho de 1911: Explorador norte-americano encontra cidade inca perdida no Peru
23 de julho de1952: Revolução derruba rei do Egito e proclama a república
22 de julho de1946 - São redigidos os primeiros estatutos da OMS

Após vários meses de sofrimento pelo câncer, Eva Perón faleceu no dia 26 de julho de 1952, com apenas 33 anos. A sua morte causou uma comoção nacional sem precedentes na história da Argentina. O seu Velório durou 14 dias, sendo acompanhado por milhares de argentinos que se comprimiriam nas ruas e avenidas de Buenos Aires para se despedir da "mãe dos descamisados".

Com a queda de Perón, o seu corpo embalsamado foi removido pelos militares de seu túmulo, pois tinham medo de que o local virasse uma fonte de adoração. Enterrado numa cova com um falso nome na Itália, o corpo só foi devolvido a Perón em 1971, durante o exílio do ex-presidente em Madri.

Siga o Opera Mundi no Twitter

Hoje na História: 1999 - População mundial atinge a marca de 6 bilhões de habitantes

Hoje na História: 1378 – Crise na Igreja Católica dá início ao Grande Cisma do Ocidente

Hoje na História: 1662 - Morre o pensador francês Blaise Pascal

 

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington