Habib's diz que morte de João Victor é fruto de problema social

Em nota pública, lanchonete expõe supostos episódios de conflitos do menino de 13 anos, morto em 26 de fevereiro, com a lei; Habib's pode ser responsabilizado administrativamente junto à Vara da Infância e Juventude, diz advogado

A rede de fast-food Habib’s divulgou, na última terça-feira (14/03), uma nota à imprensa se posicionando sobre da morte de João Victor Souza de Carvalho, 13 anos, no dia 26 de fevereiro, em frente à unidade da lanchonete, na Vila Nova Cachoeirinha. Na nota, o Habib’s afirmou que João Victor foi vítima da “falta de assistência social, falta de educação, falta de alimentação, falta de estrutura familiar e a devastadora exposição às drogas”.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Para justificar os problemas, a lanchonete expôs supostos episódios de conflitos do adolescente com a lei. “O primeiro envolvimento de João Victor com a polícia, aos 11 anos de idade, num episódio de roubo e ameaça à vítima”, disse a nota, citando um Boletim de Ocorrência (B.O.) registrado em 7 de agosto de 2014, no 13° DP (Casa Verde).

Numa referência a outro B.O., registrado no 20° DP (Água Fria), em 27 de setembro de 2015, a nota informa que “João Victor foi encontrado sozinho no Terminal Cachoeirinha, encaminhado ao Hospital do Mandaqui e após alta hospitalar foi conduzido pela polícia para a delegacia, onde o Conselho Tutelar lhe providenciou abrigo já que a família não foi localizada”.

Segundo o advogado Ariel de Castro Alves, coordenador da Comissão da Criança e do Adolescente do Condepe (Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana do Estado de São Paulo), o Habib’s poderá responder na justiça por expor as possíveis infrações que envolvem o adolescente.

Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Manifestações diante da filial do Habib's em Vila Nova Cachoeirinha, onde João Victor foi morto, pediram boicote à lanchonete

“Os autores da nota do Habib’s poderão ser responsabilizados administrativamente diante de procedimento junto à Vara da Infância e Juventude. Divulgar procedimento policial sobre criança ou adolescente acusado de ato infracional constitui-se infração administrativa prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente”, disse o advogado.

A nota também se posicionou sobre as imagens divulgadas pela Ponte Jornalismo, que mostram João Victor sendo perseguido e arrastado pelo gerente e supervisor do Habib’s. A lanchonete considerou que “as cenas chocantes dos funcionários retirando João Victor do meio da rua movimentada” devem-se à “falta de experiência em situações de resgate”.

O fast-food ainda se defendeu de possíveis boicotes à rede, apontando informações “derivadas das investigações, dos relatos, dos documentos oficiais, dos laudos e dos fatos que se desenrolaram nos últimos dias”.

Justiça de SP absolve estudante de Medicina da USP acusado de estupro

Manifestantes protestam contra governo da Guatemala após incêndio em abrigo matar 37 meninas

Cannabidiol reduz convulsões em 86% das crianças com epilepsia, aponta estudo

 

Embora o Habib’s tenha usado alguns pontos da investigação para se defender, o advogado Ariel ressaltou que a lanchonete não pode se manifestar como se o caso estivesse concluído.

“O laudo do IML (Instituto Médico Legal) é apenas uma das provas, que precisa ser analisada em conjunto com outras provas, como os depoimentos de testemunhas, as imagens e outros laudos e perícias”, disse. A nota do Habib’s não citou as duas testemunhas que afirmaram ter visto os funcionários da rede agredindo o adolescente.

Em outro ponto de defesa, a lanchonete conta que “há registro de telefonema feito pelos funcionários da loja para a Polícia Militar, antes do acontecimento, solicitando ajuda policial e relatando o comportamento de João Victor perante os clientes dentro da loja”, o que é contestado pelo advogado que auxilia a família de João Victor, Francisco Carlos da Silva.

“Se João Victor era o criminoso que o Habib’s alega, por que ele estava pedindo comida aos clientes e não roubando? Por que as denúncias, feitas pelo próprio restaurante por perturbação e outras coisas, não resultaram no encaminhamento da criança à Fundação Casa?”, questiona o advogado.

Exumação

Na segunda-feira (13/03), o advogado Francisco levou ao 28º DP (Freguesia do Ó) um parecer técnico-científico preliminar, do perito-legista independente Levi Inimá de Miranda, com 15 questionamentos para que o corpo de João Victor seja exumado, para que novos exames sejam feitos.

 

Publicado originalmente no site da Ponte Jornalismo


Outras Notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

China mantém crescimento acima da meta anual

Expansão de 6,8% da segunda maior economia do mundo no terceiro trimestre fica ligeiramente abaixo da alta no restante do ano; presidente afirma que perspectivas são "brilhantes", mas que país enfrenta "sérios desafios"