Redução da maioridade penal volta a ser tema pré-eleitoral na Argentina

Declaração de candidato kirchnerista favorável à medida desatou reações dentro e fora do oficialismo; maioridade penal é atingida aos 16

Francisco Yofre

Todos os posts do autor

Assim como no Brasil, a discussão sobre a diminuição da maioridade penal é tema recorrente na Argentina. A diferença é que muitos argentinos querem que o limite baixe para 14 anos. No país, o adolescente pode ser julgado como adulto aos 16 anos, mas irá cumprir a pena em local específico para sua idade, distinto dos detidos considerados adultos. Recentemente, um episódio envolvendo um político governista desatou novamente o debate.

Em resposta à pergunta de um jornalista, o principal candidato kirchnerista a deputado federal nas eleições de 27 de outubro, Martín Insaurralde, disse ser favorável à “diminuição da maioridade penal”. A declaração causou uma onda de polêmica que atravessou todas as forças políticas e que, ao mesmo tempo, evidenciou os diversos pontos de vista que convivem dentro do oficialismo.

Wikicommons

Cartaz eleitoral de Insaurralde (à esquerda), candidato do kirchnerismo nas eleições legislativas de 27 de outubro desse ano

De acordo com pesquisas, a insegurança é uma das principais preocupações da sociedade argentina. Os meios de comunicação ajudam a construir o sentimento de insegurança, publicando nas capas acontecimentos sem relevância jornalística. Como exemplo, há poucos dias, o Clarín — o jornal de maior tiragem nacional — noticiou um assalto a uma pequena loja sem nenhuma consequência fatal.

Até agora, o kirchnerismo tinha se mostrado mais próximo às posturas que rejeitam as soluções penais para os problemas sociais. Inclusive, tinha se manifestado a favor de estabelecer um regime penal juvenil para proteger os jovens em conflito com a lei e assim dar-lhes um devido processo judicial com garantiras de defesa para sua proteção.

Frente à declaração de Insaurralde, membros da direita e centro-direita, como o prefeito da cidade de Buenos Aires, Mauricio Macri, e o deputado federal Francisco de Narváez, se pronunciaram em seu favor. O governador do estado de Buenos Aires, o kirchnerista Daniel Scioli, cuja política em matéria de segurança é questionada por um amplo leque de organizações sociais, fez o mesmo. Uma de suas últimas propostas fala em minimizar a possibilidade de obter liberdade provisória e endurecer as penas para os delitos comuns.

“Se é correto que o tema seja debatido, não é saudável que isso seja feito no contexto de uma campanha eleitoral, já que as posturas se polarizam e alimentam a sede de linchamento da sociedade. Creio que há um vínculo entre aqueles anos nos quais os setores da direta diziam que era necessário usar ‘tudo’ para acabar com a ‘delinquência juvenil’”, disse a Opera Mundi a criminologista Claudia Cesaroni, diretora do Cepoc (Centro de Estudos de Política Criminal e Direitos Humanos). “Quando se fala de ‘tudo’, abre-se a porta para qualquer tipo de método”, definiu a advogada.

Depois do furor inicial com as declarações de Insaurralde dentro do kirchnerismo, boa parte da força política criticou o candidato. Juliana Di Tullio, atual deputada e segunda candidata da lista, disse que “a maioridade penal não é uma questão debatida. Se trata de uma posição pessoal de Insaurralde”. Outros setores oficialistas optaram por um discurso ambíguo, mas terminaram fazendo uma proposta que se alinha com a diminuição da maioridade penal.

Wikicommons
As contradições do oficialismo refletem o paradoxo que existe na sociedade sobre como abordar o tema da insegurança e seu suposto vínculo com os jovens, aspecto que foi chave para fazer a balança eleitoral, nas primárias de 11 de agosto, pender para o lado da oposição, segundo analistas.

Apesar da polêmica, fato é que as cifras oficiais mostram que na Argentina o crime e idade de punição não têm relação. Dados da Procuradoria Geral da Suprema Corte do estado de Buenos Aires — organismo oficial que concentra os promotores e rende todas as causas penais que são abertas no estado mais populoso do país — são categóricos: em 2012, 4,3% do total de delitos foram cometidos por menores de 16 anos. Os restantes 95,7%, por maiores de idade. Menos de 1% dos homicídios foram protagonizados por jovens. Dos 30 mil crimes cometidos por jovens, somente três foram sequestros extorsivos.

Opera Mundi, Claudia Bernazza, ex-deputada federal da aliança de orientação peronista Frente para a Vitória e doutora em Ciências Sociais, pesquisadora e docente da Flacso Argentina, acrescentou que “o debate sobre as consequências de uma ordem social injusta e sobre a emergência de uma cultura de exclusão deve ocupar um lugar prioritário na agenda pública. O debate é enriquecedor e agradeço por pertencer à única força política que, em um exercício de democracia interna, o está viabilizando para toda a cidadania”.

Idades e penas

A lei atual referente à responsabilidade criminal de menores foi estabelecida pelo decreto da ditadura militar de Jorge Videla, em 1980, que estabelecia a idade de 14 anos. Mas o governo argentino aumentou essa idade para 16, depois da restauração da democracia no país em 1983.

A norma da ditadura estabelece que os jovens menores de 16 anos sejam privados de sua liberdade  ,sem direito à defesa, sob a decisão arbitrária de um juiz de menores.  Eles ficam em um regime de tratamento especial até chegar à maioridade. Os jovens de 16 a 18 anos já são considerados imputáveis, e, apesar de serem julgados em um regime especial, recebem as mesmas penas que os adultos.

A Argentina tem um alto nível de privação da liberdade  de jovens em relação à quantidade de habitantes. Dados da Secretaria de Direitos Humanos da Nação dão conta da existência de 19.500 jovens menores de 18 anos em situação de confinamento. Deles, somente 12% estão confinados por motivos penais.

Além disso, a Argentina é um dos poucos países do continente com jovens — seis — condenados à prisão perpétua. Essa situação fez que com o país chamasse a atenção da Corte Interamericana de Direitos Humano, que exigiu a adequação imediata da legislação penal juvenil às disposições internacionais de proteção à juventude.

Essas políticas sistemáticas de encarceramento dos jovens também esquecem que muitos deles são recrutados por maiores para cometer crimes. Segundo detalhou em um gráfico o defensor juvenil de La Plata, Julián Axat, “a maioria dos jovens recrutados possui antecedentes em sistemáticas privações de liberdade e entradas em agências de proteção e promoção de direitos, sem respostas adequadas e efetivas para sua situação social, incapazes de interromper o círculo de entradas e saídas sistemáticas no circuito policial-assistencial”.

Ainda segundo ele, “os aspectos de instrumentalidade do recrutamento juvenil estão em geral vinculados ao narcotráfico (como mulas, soldados ou consumidores), ao tráfico de armas, aos roubos de peças automotivas, e aos roubos seletivos a determinadas casas”.

Ainda assim, quando essa situação de recrutamento juvenil é detectada, não há um aumento da gravidade das penas para os maiores: o recrutamento não está previsto em nenhum artigo do código penal. Trata-se de uma ausência sobre a qual nenhuma força política até agora se pronunciou.

Comentários