ONU repudia conduta de deputados em votação por impeachment de Dilma

'Esses comentários são inaceitáveis, especialmente vindos de representantes eleitos por voto popular', disse representante do Acnudh na América do Sul

Redação


Clique para acessar todas as matérias e artigos de Opera Mundi e Samuel sobre o processo de impeachment


O Escritório Regional para América do Sul do Acnudh (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos) expressou em nota divulgada nesta sexta-feira (22/04) repúdio à “retórica de desrespeito contra os direitos humanos” dos deputados federais brasileiros durante a votação do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, no domingo (17/04).

Em particular, o Acnudh condenou a conduta de Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que dedicou seu voto — favorável ao impeachment — ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, conhecido torturador da ditadura militar brasileira.

Wilson Dias/Agência Brasil

Conduta de Bolsonaro foi criticada por Escritório de Direitos Humanos da ONU

“Repudiamos qualquer tipo de apologia às violações de direitos humanos como a tortura, que é absolutamente proibida pela Constituição brasileira e pelo direito internacional. Esses tipos de comentários são inaceitáveis, especialmente vindos de representantes das instituições brasileiras eleitos por voto popular”, disse o representante da Acnudh na América do Sul, Amerigo Incalcaterra.

Ele ainda pediu que, não apenas as autoridades políticas e jurídicas, mas toda a sociedade brasileira condenasse qualquer forma de discurso de ódio, defendendo os valores da democracia e da dignidade humana.

posicionamento de Bolsonaro e dos parlamentares brasileiros vêm sendo criticados no cenário nacional e internacional desde a votação de domingo. A mídia estrangeira é uma das maiores críticas e chegou até a debochar do comportamento dos políticos do país.

Comentários