Primeira-ministra da Nova Zelândia anuncia gravidez e vai tirar licença-maternidade

Durante a campanha, Jacinda Ardern foi questionada se tiraria licença caso ficasse grávida; ela classificou a pergunta como inaceitável, dizendo que a decisão de "quando ter filhos" é da mulher

Redação

0

Todos os posts do autor

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou nesta quinta-feira (18/01) que está grávida e que se afastará do cargo durante seis semanas após o nascimento do bebê, que está previsto para o mês de junho.

Em sua conta no Facebook, Ardern revelou sua gravidez e disse que ela e seu marido, Clarke Gayford, estão muito animados com a notícia. "Clarke e eu estamos muito animados que em junho nosso time irá aumentar de dois para três", escreveu a primeira-ministra. 

Ardern ainda destacou que irá "ser primeira-ministra e mãe" e seu marido será "um pai que ficará em casa", para cuidar do bebê. "Eu sei que haverá muitas perguntas e eu responderei todas", também escreveu a líder do Partido Trabalhista.

Durante a campanha eleitoral, Ardern foi questionada por um jornalista se seria válido uma premiê tirar licença-maternidade enquanto estivesse no cargo. "A pergunta é: é válido uma primeira-ministra sair em licença-maternidade enquanto estiver no cargo?", questionou, acrescentando que "o empregador em uma empresa precisa saber que tipo de mulher está empregando". 

A então candidata classificou a pergunta como "inaceitável". "É totalmente inaceitável, em 2017, dizer que mulheres tenham que responder esse tipo de pergunta no ambiente de trabalho", disse. "Quando ter filhos é uma decisão da mulher e isso não deve predeterminar se ela receberá ou não oportunidades de trabalho."

Wikicommons

Jacinda Ardern se afastará do cargo durante seis semanas para cuidar de seu bebê

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

Eu apoio Opera Mundi

Durante as seis semanas que Ardern ficará afastada do posto, o vice-primeiro-ministro, Winston Peters, ficará à frente do governo. A premiê ainda prometeu ficar disponível para emergências enquanto tira sua licença maternidade.

Ardern, eleita em votação acirrada em setembro do ano passado, se tornou a terceira mulher a formar um governo na Nova Zelândia, sendo a pessoa mais jovem da história do país a assumir o cargo de premiê, com 37 anos.

O primeiro-ministro da Austrália, Malcolm Turnbull, felicitou a líder do país vizinho dizendo que Ardern "parecia mais animada do que quando ganhou as eleições". A ex-primeira-ministra da Nova Zelândia Helen Clark também enviou mensagem a Ardern destacando que "toda mulher deveria ter a possibilidade de escolher combinar família e carreira".

O líder do Partido Verde neozelandês, James Shaw, parabenizou a premiê e afirmou que "uma mulher possa ser primeira-ministra da Nova Zelândia e escolher ter uma família enquanto ocupa o cargo diz muito sobre o tipo de país que nós somos e que podemos ser - moderno, progressista, inclusivo e igualitário". Shaw também destacou que "esse anúncio será significativo para muitas mulheres".

Na Nova Zelândia, o tempo máximo permitido pelo governo para licença maternidade é de 18 semanas, podendo ser estendido para 52 semanas mediante a negociações trabalhistas. 

Além de Ardern, a primeira-ministra do Paquistão em 1990 Benazir Bhutto deu à luz a uma menina e se tornou a primeira líder mundial eleita a vivenciar a maternidade durante o exercício de sua funções políticas.

Comentários