UN Photo

Bloqueio dos EUA é violação contra Cuba, afirma embaixador da Venezuela na ONU

Samuel Moncada ainda apontou para as consequências do bloqueio, dizendo que "o dano econômico produzido supera 900 bilhões de dólares"

Redação

Todos os posts do autor

Durante sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas realizada nesta quarta-feira (31/10), o embaixador venezuelano na ONU, Samuel Moncada, afirmou que o bloqueio norte-americano contra Cuba constitui uma violação ao desenvolvimento da ilha.

Em nome do bloco dos Países Não Alinhados, Moncada rechaçou a política dos EUA com relação a Cuba e destacou que, nos últimos 27 anos, a Assembleia Geral tem votado a favor do país caribenho.

"O bloqueio constitui uma violação do desenvolvimento de Cuba, privando o país de dialogar com o plano internacional. O dano indireto e direto afeta todos os setores vitais da economia", disse o embaixador.

Moncada ainda apontou para as consequências do bloqueio, dizendo que "o dano econômico produzido supera 900 bilhões de dólares".

Bolívia

Por sua vez, o embaixador nas Nações Unidas da Bolívia, Sacha Llorenti, afirmou que "Cuba é um exemplo para toda a humanidade com inumeráveis avanços e uma população livre".

"Cuba sempre esteve com os países do mundo na luta contra o analfabetismo, contra o ebola, os ciclones e terremotos. Cuba serve de guia aos povos do mundo", afirmou.

O diplomata ainda destacou que, "durante mais de 26 anos consecutivos, a comunidade internacional tem contestado a um só Estado e um só país. Estados Unidos, se abstenham de políticas unilaterais e se unam ao resto das nações".

Em nome do Grupo dos 77, que compreende nações do sul em desenvolvimento, o embaixador do Egito na ONU, Mohamed Fathi Ahmed Edrees, ressaltou a importância de Cuba no cenário global e disse que "o fim do bloqueio contribuiria para o desenvolvimento mundial".

Também argumentaram a favor de Cuba o embaixador do Vietnã nas Nações Unidas, Dang Dinh Quy, e o representante da Jamaica na ONU, Courtenay Rattray. 

Ambos destacaram a importância do respeito à soberania dos povos e expressaram seu descontentamento com a continuidade do bloqueio norte-americano.

Conferência Islâmica

O representante de Bangladesh nas Nações Unidas falou em nome da Conferência Islâmica e rechaçou o bloqueio a Cuba.

"Nos opomos a qualquer tipo de medida unilateral que afete o desenvolvimento das relações comerciais, econômicas e outras entre os países do mundo", afirmou o diplomata.

Representando a Caricom, a Comunidade do Caribe, a representante de Bahamas, Sheila Carey, afirmou que os anos de bloqueio "provocaram muito sofrimento ao povo cubano".

Em nome do bloco, a diplomata ainda condenou a medida norte-americana e afirmou que "essa política conta com um rechaço a nível global e viola o multilateralismo, o princípio da soberania e da não ingerência".

ONU

A Assembleia Geral da ONU voltou a discutir o projeto de resolução que propõe o fim do bloqueio norte-americano contra Cuba. Desde 1992, as Nações Unidas votam pelo fim da medida.

Durante a primeira sessão, a desta quarta, foram ouvidos os discursos dos grupos de países e membros da ONU, incluindo aí a delegação norte-americana. A reunião está prevista para ser concluída somente nesta quinta (01/11), com a votação.

Em 2016, último ano do governo do democrata Barack Obama, os Estados Unidos, que estavam em rota de reaproximação com Havana, se abstiveram e não houve votos contra a resolução. No entanto, Washington dizia precisar, no mínimo, de aprovação do Congresso para derrubar o bloqueio, que vigora desde 1959 – o mais longo já imposto a um país.

Por sua vez, o governo do republicano Donald Trump diminuiu a velocidade da reaproximação e impôs dificuldades diplomáticas para Cuba na própria ONU. Segundo o chanceler cubano, Bruno Rodríguez, Washington apresentou oito emendas à resolução que está sendo votada neste ano para atrasar a votação e arrastar a discussão. 

Comentários