'Bolsonaro é incapaz de construir discurso coerente', dizem especialistas franceses

Especialistas em análise de discurso temem que normalização de uma linguagem "crua" tenha consequências para a legitimidade do país, tanto no cenário internacional quanto no nível das instituições democráticas no Brasil

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na sexta-feira (09/08), em resposta a um questionamento de um jornalista sobre maneiras de preservar o meio ambiente, que bastava "fazer cocô dia sim, dia não". Em reação à polêmica gerada, o chefe de Estado retrucou, na segunda-feira (12/08), que não era um "vaselina", um "politicamente correto" ou muito menos um "isentão". "Aqui é resposta direta", disse. 

O discurso do dirigente foi um dos ingredientes de sua ascensão e vitória nas eleições de 2018, mas especialistas entrevistados pela RFI temem que a normalização dessa linguagem "crua" tenha consequências para a legitimidade do país, tanto no cenário internacional quanto no nível das instituições democráticas no Brasil.

Nas falas de Bolsonaro, há dois aspectos importantes: a forma e o público alvo, aponta Liz Feré, professora de Análise do Discurso na Universidade Sorbonne Paris 8. "E, nesse caso, não estamos falando apenas do eleitorado, mas de toda essa base que é de ordem da estrutura da sociedade. Temos aí os militares, os evangélicos, os lobbies que o apoiaram", afirma a pesquisadora, que ressalta a coerência dos pronunciamentos do presidente brasileiro com aquilo que ele representa.

"É uma forma discursiva comum nos países de líderes autoritários, como é o caso do ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, ou do presidente americano Donald Trump, entre outros", acrescenta Liz Feré. As tiradas de Bolsonaro - "Não é compatível com um presidente? Votem em outro em 2022, é muito simples", para citar uma das mais recentes -, que fazem enorme sucesso entre seus apoiadores, são manobras para se esquivar de discussões sérias para as quais o chefe de Estado não tem preparo, analisa a especialista ouvida pela RFI.

Patrick Charaudeau, pesquisador francês e professor da Universidade Paris 13,   faz uma comparação entre o discurso de Bolsonaro e o do ex-candidato à presidência francesa Jean-Marie Le Pen, na época do partido de extrema direita Frente Nacional (atualmente chamado Reunião Nacional). Segundo o especialista, os dois compartilham a mesma linguagem do "carisma do poder e da brutalidade". "É um paradoxo: quanto mais um líder político se mostra brutal, mais ele terá o favoritismo de uma parte da população que se encontra frustrada", diz.

Quando estava visitando Ipanema, no Rio de Janeiro, Charaudeau ouviu um barulho que chamou sua atenção. Mais tarde ele se deu conta de que era um grupo de motoqueiros que faziam o sinal das armas com as mãos, como o presidente brasileiro. "Foi muito impressionante. Era o eco da brutalidade da linguagem de Bolsonaro", declara.

"Eu diria que ele é incapaz de construir um discurso coerente", declara Liz Ferré, sobre Bolsonaro. "Você vê que ele não fala dentro de um discurso público esperado de um chefe de Estado. Ele fala fora desse contexto protocolar de uma coletiva com jornalistas ou outros dirigentes, como se estivesse dentro de um âmbito de discurso privado, tomando uma cerveja num domingo com amigos."

Discurso de brincadeira

O problema com a linguagem "franca" e "crua" de Bolsonaro é que ela parece ignorar as regras das instituições que, apesar de seus defeitos, manteve uma certa ordem durante anos. "A atividade dos políticos no Brasil, sobretudo na esfera federal, é submetida a um código de ética e de comportamento voltado à segurança dos valores deontológicos e morais compartilhados pela sociedade. A constituição federal de 1988 prevê, aliás, a perda do mandato de um deputado ou senador que não respeitar os princípios de dignidade ou integridade", explica Ingrid Bueno Peruchi, professora na Universidade Paris Nanterre e analista do discurso do Brasil contemporâneo.

Para a pesquisadora, o estilo de comunicação de Bolsonaro reforça seu lado "outsider" e o aproxima ainda mais do povo, que leva suas falas "na brincadeira". "A adoção de um comportamento e de uma comunicação baseados na ética permite uma atividade política mais transparente e democrática e assegura uma representação e um respeito de todos", lembra Bueno Peruchi. Ela ressalta que o presidente brasileiro nega, em seu discurso, o apoio a minorias LGBT, mulheres ou comunidades indígenas para restaurar "uma tradição e os direitos de uma suposta maioria conservadora".

As táticas discursivas de Bolsonaro não são inovadoras e são investigadas há muitos anos. Birgitta Dresp, especialista do Centro Nacional de Pesquisas Científicas (CNRS, na sigla em francês), estuda o assunto e consegue descrever o passo-a-passo para produzir esse tipo de linguagem. Ela cita, por exemplo, as contradições entre vários assuntos, o uso de mentiras que podem ser provadas com fatos, a recusa em responder uma questão que acabou de ser feita ou respostas inadequadas.

"A maneira como um discurso será recebido por uma audiência não depende apenas de seu caráter verídico ou tangível, mas sobretudo da capacidade do orador de captar a atenção da audiência", diz Birgitta Dresp. "É um processo de sedução e não de comunicação no sentido científico do termo. A sedução ocorre por meio de vários mecanismos: o chocante pode seduzir às vezes até mais do que que é agradável. Tudo é uma questão de contexto no discurso político."

Marcos Corrêa/PR
Bolsonaro ao lado do prefeito de Miami: linguagem do presidente pode afetar institucionalidade do Brasil

A questão principal, de acordo com Liz Feré, é que, ao invés de questionar e cobrar um posicionamento mais de acordo com as normas internacionais da retórica de um presidente, boa parte dos apoiadores de Bolsonaro gostam dele justamente por sua atitude de provocação diante das instituições políticas clássicas. "Ele ganhou as eleições exatamente com esse discurso, por causa desse discurso. O mais grave é que foi se instalando, aos poucos, essa possibilidade de aceitar isso", analisa.

Entre os estudantes estrangeiros de Liz Ferré, o espanto é generalizado, mas existe uma dificuldade em explicar como esse tipo de retórica passou a ser normalizada. "Nem Trump, nem Salvini fazem derrapagens tão nítidas, fortes e violentas quanto nós temos no Brasil. Para um país que emergiu na cena internacional, hoje nós temos uma ridicularização provocada pelo chefe de Estado, seu comportamento, as palavras utilizadas", critica a professora.

Quatro pontos do discurso populista

Patrick Charaudeau, que organiza nesse momento um colóquio sobre o discurso populista, aponta quatro características claras desse tipo de tática. "O primeiro ponto é uma vitimização. Existe a fabricação de um bode expiatório, que pode ser interior ou exterior. No caso da França, há um inimigo duplo: os migrantes que podem vir e aqueles que já estão integrados", explica.

A segunda questão é a "diabolização de um culpado": um partido de oposição, os comunistas, os marxistas… "Aqui na França é a União Europeia, uma culpada exterior. A extrema direita e a esquerda radical veem a UE como um alvo em comum, produzindo um discurso que é um pouco parecido. No Brasil, o PT poderia ser considerado um culpado interior", analisa.

"O terceiro ponto é o apelo ao povo, mas quem é o 'povo'?", questiona Charaudeau. "Em geral, os políticos se dirigem ao povo como um todo, mas em alguns casos trata-se do povo branco, ou negro, ou os ricos, ou a classe média…" O pesquisador chama a atenção para o uso de alguns termos para se comunicar com a população de forma fragmentada, tendo apenas uma parte como destinatário. Algo que poderia ser aplicado à expressão "cidadão de bem" no Brasil.

Por fim, nesse contexto, nasce a figura do "homem providencial", que salvará o "cidadão de bem" dos "inimigos". "É preciso um líder carismático, representante do povo. Aliás, ele é o próprio povo, há uma espécie de fusão entre o líder e a população. Mas há dois casos diferentes, pois alguns líderes africanos não se apresentam como parte do povo, mas de uma forma paternalista, como o protetor do povo", explica, lembrando que seria preciso analisar a situação brasileira de perto para definir que tipo de análise seria a mais apropriada.

Repercussão na imprensa

A popularidade do presidente brasileiro, independentemente ou em consequência de seu discurso, chamou a atenção da comunidade internacional e de países ocidentais, como a França. Em seu artigo "Jair Bolsonaro: um 'Messias' para o Brasil?", escrito antes dos resultados das eleições, o analista em Geopolítica Ulrich Bounat, integrante do Comitê América Latina (ANAJ-IHEDN), ressalta os "mais de 8,5 milhões de seguidores [de Bolsonaro] nas redes". "Além dos Bolsominions, perfis diversos se encontram nos meetings de Jair Bolsonaro. Candidato favorito das classes favorecidas, sobretudo proprietários de terra, ele atrai os mais ricos mas também os que moram nas favelas (...) O programa, liberal e conservador, se inscreve na linha de direita de uma corrente política chamada Bancada BBB (Bala, Boi e Bíblia)", escreve Bounat.

A revista francesa Le Point publicou um artigo em 17 de maio de 2019 falando do "discurso virulento" e "da linguagem corporal agressiva" do presidente. No texto, dois especialistas em comunicação do corpo afirmam que os gestos do chefe de Estado se transformam quando ele está sob pressão. Eles ressaltam que ele demonstra mais conforto quando está entre seus parceiros, os militares, do que quando deve ser confrontado à imprensa - momento em que assume uma postura agressiva, reforçando a tese de Liz Feré de que seu "jeitão" nada mais é do que um "escudo" para disfarçar uma fragilidade ou despreparo.

Seu curto discurso no Fórum Econômico Mundial de Davos, em janeiro, uma das raras ocasiões onde se submeteu a uma linguagem mais protocolar e tradicional, foi duramente criticado e visto como "superficial" pela imprensa internacional. O jornal Le Monde afirmou, na época, que Bolsonaro fez o "serviço mínimo": "uma prestação concluída em menos de quinze minutos, pontuada por um convite para 'descobrir' o Brasil, suas praias e a floresta amazônica…"

O "discurso" de um chefe de Estado vai além de suas palavras - ou palavrões - e também é analisado através de suas ações enquanto figura pública. Nesse contexto, a "desfeita" de Bolsonaro, que se recusou a se encontrar com o ministro das Relações Exteriores francês, Jean-Yves Le Drian, em sua visita ao Brasil no fim de julho, gerou desconforto na diplomacia entre os dois países. "Ao se exibir publicamente no cabeleireiro [razão para a anulação apontada pelo chefe de Estado], Bolsonaro afirma sua soberania e seu desprezo pelo discurso moralizador de Paris em relação ao meio ambiente", escreveu a correspondente do Le Monde, Claire Gatinois, no dia 31 de julho.

Comentários

Leia Também