Chanceler afirma que Israel não pedirá perdão à Turquia por ataque à flotilha

Chanceler afirma que Israel não pedirá perdão à Turquia por ataque à flotilha

Agência Efe

O ministro de Assuntos Exteriores israelense, Avigdor Lieberman, afirmou neste domingo (26/12) que seu país não pedirá perdão à Turquia pelo ataque contra a frota de navios que levavam ajuda humanitária à Faixa de Gaza, que matou nove turcos em 31 de maio. Segundo ele, Ancara é que deveria se desculpar por "apoiar o terrorismo".

Lieberman acusou a Turquia de respaldar o terrorismo, mencionando tanto os grupos políticos Hamas (palestino) e Hezbollah (libanês) - considerados terroristas por alguns países - e a ONG islâmica turca IHH, principal organizadora do comboio humanitário.

"Quem deve pedir desculpas é o governo turco por apoiar o terrorismo, a IHH, o Hamas e o Hezbollah. Não haverá desculpas, mas pelo contrário, estamos esperando-as de Ancara", indicou o chanceler em um encontro com 170 representantes diplomáticos israelenses, segundo a imprensa local.

Leia mais:
Nomeação de Uribe para investigação do caso da flotilha garante fracasso da iniciativa
Lideranças da comunidade judaica no Brasil apoiam ações militares de Israel
Ativista da frota de Gaza é presa pela segunda vez em protesto na Cisjordânia
Lula autoriza ajuda de R$ 25 milhões para reconstrução de Gaza 
Turquia se transforma na nova paixão dos palestinos
Carta da Flotilha da Liberdade, por Iara Lee

Nas últimas semanas, diversas informações indicavam um possível acordo em segredo pelo qual Israel se desculparia e compensaria a Turquia pelas nove mortes da abordagem do navio "Mavi Marmara" em maio passado em águas internacionais. Segundo o diário Haaretz, Lieberman e o titular de Defesa e ex-primeiro-ministro, Ehud Barak, rejeitam a ideia de Israel ceder neste assunto.

Neste domingo, o chanceler afirmou que as tensões com a Turquia nada têm a ver com as políticas de Israel e as comparou com a transformação política no Irã após a derrocada em 1979 do xá de Pérsia, Mohammad Reza Pahlevi, estreito aliado de Israel, pela Revolução Islâmica.

"Devem entender que as mudanças com a Turquia nada têm a ver com Israel. É uma mudança interna no seio da Turquia, exatamente como a mudança de Khomeini nada tinha a ver com Israel, mas com uma mudança no Irã", argumentou.

Lieberman, líder do partido ultradireitista Yisrael Beiteinu, qualificou de "mentiras e falsas promessas" as palavras do chanceler turco, Ahmed Davutoglu, quem, neste sábado em entrevista coletiva em Istambul, reiterou a vontade de seu país de fazer as pazes com Israel desde que o Estado judaico se desculpe pelas mortes da flotilha.


Siga o Opera Mundi no Twitter      
Conheça nossa página no Facebook



Comentários