Congo investiga soldados acusados de abuso sexual na República Centro-Africana

Atuando nas Forças de Paz da ONU, 120 soldados congoleses foram acusados de abuso sexual pela Human Rights Watch

As autoridades do Congo e da República Democrática do Congo deram início na sexta-feira (05/02) a uma investigações contra 120 soldados congoleses que serviam na Missão das Nações Unidas na República Centro-Africana (Minusca) e foram acusados de abuso sexual pela ONG Human Rights Watch.

“Devido ao entendimento entre o governo congolês e o escritório do secretário-geral da ONU, foi acordado que uma investigação administrativa será realizada”, disse o ministro das Comunicações, Thierry Moungalla. Ele ainda afirmou que a apuração será conduzida pelo ministro da Defesa que irá “verificar a veracidade das alegações [da Human Rights Watch]”.

Minusca/FlickrCC

Soldado congolês na República Centro-Africana

Inicialmente a organização havia denunciado sete casos de abuso na cidade de Bambari, porém, na quinta-feira (04/02), divulgou um novo relatório apresentando mais oito casos de assédio sexual na mesma cidade. As vítimas teriam entre 13 e 29 anos.

Após suspensão, diretor da ONU que denunciou abuso sexual na República Centro-Africana é inocentado

Soldados europeus abusaram sexualmente de crianças na República Centro-Africana, diz ONU

Por abusos sexuais, ONU vai repatriar soldados de missão na República Centro-Africana

 

“[Funcionários da ONU] Encontraram evidências iniciais suficientes indicando que cinco das vítima eram menores de idade e foram violentadas sexualmente e que um adulto foi sexuamente explorado”, disse a Minusca em comunicado.

Logo após as acusações, a ONU repatriou 120 soldados congoleses que atuavam na República Centro-Africana.

Os casos de abuso sexual por parte dos soldados da ONU no país foram revelados em 2014 após o diplomata Anders Kompass repassar um relatório, intitulado “Abuso Sexual de Crianças pelas Forças Armadas Internacionais”, para autoridades francesas. Na semana passada, as Nações Unidas afirmaram que soldados da Geórgia, da França e de outro país europeu não identificado violentaram crianças na República Centro-Africana.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias