Aula Pública Opera Mundi: como deve ser a educação das relações étnico-raciais?

No novo episódio da quarta temporada da Aula Pública, Oswaldo Santos discute como o sistema de ensino precisa discutir questões de racismo e intolerância

Opera Mundi TV

Oswaldo Santos, coordenador do Núcleo de Formação Cidadã da Universidade Metodista, discute relações étnico raciais


No novo episódio da quarta temporada da Aula Pública, Oswaldo de Oliveira Santos, coordenador do Núcleo de Formação Cidadã da Universidade Metodista, discute a educação das relações étnico-raciais. Para o especialista, o sistema de ensino precisa investir na valorização das múltiplas identidades e da diversidade cultural nas escolas. Esse é o caminho para a "desconstrução do racismo e outras manifestações de intolerância na sociedade".


Saiba mais sobre a campanha de assinatura solidária de Opera Mundi

"Racismo significa construir uma hierarquia entre os seres humanos. Ou seja, dizer que existem determinados grupos humanos que são mais importantes que outros. Nesse sentido, o racismo tem a função de aprofundar os processos de exploração de classes, o que é perverso e doentio. A partir da valorização da diversidade cultural, a educação das relações étnico-raciais busca desconstruir esse fenômeno e essa ideologia", diz Santos.

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Oswaldo Santos: como deve ser a educação das relações étnico-raciais?


Na segunda parte da Aula Pública, Oswaldo Santos responde perguntas do público da Universidade Metodista, em São Bernardo do Campo

 

Talvez o que fiz se torne um símbolo, diz mulher que interrompeu marcha neonazista na Suécia

Só uma democracia forte suporta uma cultura próspera e livre, diz ministra sueca Alice Bah Kuhnke

A liderança combativa e generosa de Luiza Bairros

 


Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas