Aula Pública Opera Mundi: como deve ser a educação das relações étnico-raciais?

No novo episódio da quarta temporada da Aula Pública, Oswaldo Santos discute como o sistema de ensino precisa discutir questões de racismo e intolerância

Opera Mundi TV

Oswaldo Santos, coordenador do Núcleo de Formação Cidadã da Universidade Metodista, discute relações étnico raciais


No novo episódio da quarta temporada da Aula Pública, Oswaldo de Oliveira Santos, coordenador do Núcleo de Formação Cidadã da Universidade Metodista, discute a educação das relações étnico-raciais. Para o especialista, o sistema de ensino precisa investir na valorização das múltiplas identidades e da diversidade cultural nas escolas. Esse é o caminho para a "desconstrução do racismo e outras manifestações de intolerância na sociedade".


Saiba mais sobre a campanha de assinatura solidária de Opera Mundi

"Racismo significa construir uma hierarquia entre os seres humanos. Ou seja, dizer que existem determinados grupos humanos que são mais importantes que outros. Nesse sentido, o racismo tem a função de aprofundar os processos de exploração de classes, o que é perverso e doentio. A partir da valorização da diversidade cultural, a educação das relações étnico-raciais busca desconstruir esse fenômeno e essa ideologia", diz Santos.

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Oswaldo Santos: como deve ser a educação das relações étnico-raciais?


Na segunda parte da Aula Pública, Oswaldo Santos responde perguntas do público da Universidade Metodista, em São Bernardo do Campo

 

Talvez o que fiz se torne um símbolo, diz mulher que interrompeu marcha neonazista na Suécia

Só uma democracia forte suporta uma cultura próspera e livre, diz ministra sueca Alice Bah Kuhnke

A liderança combativa e generosa de Luiza Bairros

 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias