Em nova ação pós-tentativa de golpe, governo turco ordena fechamento de 131 grupos de mídia

Entre veículos fechados está 'Zaman', cujos antigos jornalistas foram presos; decreto faz parte de 'limpeza' do governo após tentativa fracassada de golpe

O governo da Turquia decretou nesta quarta-feira (27/07) o fechamento de 131 grupos midiáticos. Três agências de notícias, 16 emissoras de televisão, 23 emissoras de rádio, 45 jornais, 15 revistas e 29 editoras foram afetados pela medida.


Saiba mais sobre a campanha de assinatura solidária de Opera Mundi

A lista completa dos veículos fechados foi divulgada pela CNN Türk. Entre eles está a emissora pró-curda IMC TV e o Zaman, publicação confiscada em março pelas autoridades turcas por conta da relação dela com o líder do movimento social-religioso Hizmet, o clérigo Fethullah Gülen. Parte dos antigos jornalistas da publicação também foi presa também nesta quarta.

Agência Efe

Governo da Turquia ordena fechamento de 131 grupos de mídia

Segundo o jornal local Hürriyet Daily News, a detenção dos 47 profissionais do Zaman foram parte de uma investigação sobre Gülen, exilado nos EUA, e que é acusado pelo governo turco de organizar a tentativa de golpe militar no último dia 15 no país. O clérigo nega as acusações.

EUA: em meio a acusações de assédio sexual, presidente da Fox News renuncia

Após tentativa frustrada de golpe militar, Justiça da Turquia ordena detenção de 42 jornalistas

Governo da Turquia ordena prisão de 47 antigos jornalistas de diário de oposição a Erdogan

 

O decreto é parte de uma série de medidas de "limpeza" sendo tomadas pelo governo turco após a tentativa fracassada de golpe, o que inclui uma onda de demissões e prisões, facilitadas pela declaração de estado de emergência no último dia 20. 

Só nesta quarta, as autoridades turcas anunciaram a dispensa de mais 2.400 funcionários militares, sendo 726 oficiais e 1.684 soldados. Até o momento, já foram demitidas mais de 50 mil pessoas e ao menos seis mil foram presas.

Segundo o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, o estado de emergência durará três meses e foi convocado para facilitar a prisão daqueles que tomaram parte no golpe. Na prática, esta medida pode ser usada como pretexto para suspender direitos e liberdades individuais — o mandatário até cogitou a pena de morte para os militares que participaram do levante e suspendeu, no dia seguinte à declaração, a Convenção Europeia de Direitos Humanos que aconteceria no país. 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias