1946: Hermann Hesse indicado para Nobel da Literatura

Deutsche Welle
O escritor Hermann Hesse, alemão naturalizado suíço, foi nomeado para o Prêmio Nobel de Literatura no dia 14 de novembro de 1946. 'O Lobo da Estepe' e 'Sidarta' são duas de suas obras mais conhecidas

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Hermann Hesse nasceu no dia 2 de julho de 1877, em Calw, na Floresta Negra, como segundo filho de Johannes e Marie Hesse, esta de origem suíça. Depois do curso primário, ele começou a estudar Teologia no mosteiro luterano de Maulbronn, que abandonou alguns meses depois.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Criado no seio de uma família religiosa, Hesse leu Nietzsche, Dostoievski e Spengler. Após uma curta passagem pela fábrica de relógios Perrot, em sua cidade natal, iniciou a formação como livreiro em Tübingen e em Basileia, quando também publicou suas primeiras poesias.

Em 1904, ano do seu primeiro grande sucesso, Peter Camenzind, casou-se com Maria Bernoulli e fixou residência em Gaienhofen. Seus três filhos nasceram nessa região rural, perto do Lago de Constança. A vida pacata do interior inspirou-o a buscar novas culturas. Movido pela vontade de conhecer a Índia, onde seus avós e pais atuaram como missionários, viajou em 1911 para a Ásia. Dois anos depois, publicou Aus Indien (Da Índia).

picture-alliance/KEYSTONE

O escritor Hermann Hesse

Aproximação com o Oriente

Hesse conheceu vários países, encontrando o cerne da sua espiritualidade, que combinou com o ideário romântico e uma recusa de todo e qualquer dogmatismo. O principal fruto dessa aproximação com o Oriente foi o romance Sidarta, publicado em 1922, que apresentou, de forma compreensível ao Ocidente, as diferentes religiões e filosofias do Oriente, do hinduísmo ao zen-budismo, passando pelo taoísmo e confucionismo.

Numa carta escrita em 1919, Hesse havia profetizado a decadência do pensamento ocidental: "Há muitos anos estou convencido de que a inteligência ocidental está em decadência e precisa retornar a suas fontes asiáticas. Durante muitos anos, fui devoto de Buda e me dediquei já na infância à literatura indiana".
 

1922: Fim da Marcha sobre Roma

1938: O pogrom da 'Noite dos Cristais'

1920: Nacional-socialistas criam tropa de segurança

 

Em 1919, publicou Demian, considerada por muitos críticos sua principal obra. Ela mostra a influência dos escritos de Nietzsche e a aplicação dos conhecimentos psicológicos de Hesse na elaboração do drama ético e da enorme confusão mental de um jovem que toma consciência da fragilidade da moral familiar e estatal.

Paixão pela pintura

A constante busca do equilíbrio interior havia levado Hermann Hesse a separar-se da família em 1919, quando passou a morar em Montagnola, na Suíça. Nessa época dedicou-se à pintura, aconselhado pelo psiquiatra Josef Bernhard Lang, discípulo de Carl Gustav Jung.

Autodidata, o escritor procurou nas artes a superação de uma crise existencial. O que começou como terapia acabou virando paixão e resultou num acervo de cerca de 3 mil aquarelas, retratando especialmente o Tessino (cantão italiano na Suíça). Em 1923, casou-se com Ruth Wenger e no ano seguinte adquiriu a nacionalidade suíça.

Ao completar 50 anos, em 1927, publicou o clássico O lobo da estepe, sobre um indivíduo solitário e rebelde, que contém uma feroz denúncia da sociedade burguesa.

Outra obra que virou clássico: O jogo das contas de vidro, escrito em 1943, em plena Segunda Guerra Mundial. A trama se passa no ano de 2200, num país imaginário chamado Castália, onde a sociedade se dedica à preservação e ao culto dos maiores valores culturais e espirituais da humanidade. O jogo de avelórios, que dá nome ao livro, é uma prática dessa sociedade utópica que combina arte, ciência e religião através de uma intrincada combinação de signos.

Já vivendo isolado do mundo, o autor foi contemplado com o Prêmio Nobel da Literatura em 1946. Hermann Hesse faleceu em Montagnola, em 9 de agosto de 1962.

(rw)

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Santos anuncia ingresso da Colômbia na OTAN

O presidente e prêmio Nobel da Paz, J. Manuel Santos, escolheu ingressar na historicamente belicista OTAN na mesma semana em que se inicia a etapa final do processo eleitoral colombiano