Parlamento turco debate ampliar poder de Erdogan

Deutsche Welle
Alteração do sistema político da Turquia para o regime presidencialista através de reforma constitucional daria mais poderes ao já fortalecido presidente; debates sobre referendo devem durar duas semanas

O Parlamento turco inicia nesta segunda-feira (09/01) um debate sobre uma nova Constituição que daria mais poderes ao presidente Recep Tayyip Erdogan. As consultas sobre a alteração do atual regime parlamentarista para o presidencialista devem durar duas semanas.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

As propostas deverão passar por duas votações no Parlamento antes de serem submetidas a um referendo. Um rascunho com os 18 artigos da nova Constituição foi aprovado por uma comissão parlamentar no fim de 2016.

O conservador islâmico Partido pela Justiça e Desenvolvimento (AKP), liderado por Erdogan, tem insistido em mudanças constitucionais, alegando que o fortalecimento do presidente turco vai garantir maior prosperidade ao país. Críticos da proposta rebatem que as mudanças dariam controle indiscriminado ao atual regime autoritário.

Agência Efe

Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia: partido AKP, liderado por ele, alega que fortalecimento do presidente vai garantir maior prosperidade ao país

Cronologia: ataques à Turquia em 2016

Militares são condenados à prisão perpétua em primeira sentença por tentativa de golpe de Estado na Turquia

Rússia anuncia redução de presença militar na Síria

 

Apesar de ser o maior partido no Parlamento turco, o AKP ainda precisa de 14 votos para alcançar os 330 necessários à aprovação da proposta de reforma constitucional. O pequeno Movimento Nacionalista (MHP), que detém 40 assentos, deve ter papel decisivo no resultado das votações. Seu presidente, Devlet Bahceli, já anunciou o apoio à proposta, mas alguns membros da legenda ainda resistem à ideia.

"Retrocesso à época dos sultões"

A atual Constituição turca, baseada no parlamentarismo, está em vigor desde o golpe militar de 1980, promovido pelo general Kenan Evren. Se a reforma constitucional for aprovada, a Turquia terá um regime presidencialista pela primeira vez em 94 anos.

O maior grupo da oposição, o Partido Republicano do Povo (CHP), é a principal força contrária à reforma constitucional. Para o representante do CHP Bülent Tezcan, conferir mais poder ao regime vai simbolizar um retrocesso à época dos sultões do Império Otomano: "Será a dissolução de tudo o que nossa república alcançou", afirmou, classificando a mudança como um retorno à "ditadura de um homem só".

Com a reforma, Erdogan, que antes de ser eleito presidente foi primeiro-ministro da Turquia entre 2003 e 2014, poderá ficar no poder até 2029. Segundo o texto constitucional, o presidente seria eleito para um mandato de cinco anos, podendo servir até dois mandatos, e o período em que já atuou como presidente não entraria na conta.

KG/ap/afp/dpa



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas