EUA consideram ação militar contra Coreia do Norte, diz secretário de Estado

Em visita à Coreia do Sul, Rex Tillerson afirmou que 'todas as opções estão sobre a mesa' em relação a ações de Washington contra Pyongyang; Coreia do Norte responsabilizou EUA por 'potencial para a guerra nuclear'

Atualizada às 09:16

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, disse nesta sexta-feira (17/03) em Seul, na Coreia do Sul, que a diplomacia da "paciência estratégica" exercida pelo governo de Barack Obama com a Coreia do Norte "terminou" e que uma ação militar de Washington contra Pyongyang "é uma opção".


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O chefe da diplomacia norte-americana falou em entrevista coletiva ao lado de seu colega sul-coreano, Yun Byung-se, e da mesma forma que fez na véspera no Japão, ressaltou que Washington planeja mudar sua política em direção ao governo de Kim Jong-un, mas não deu mais detalhes a respeito.

Tillerson disse que "todas as opções estão sobre a mesa" e que acredita que o melhor para o futuro da segurança e estabilidade econômica da Coreia do Norte "é abandonar seu programa nuclear e de mísseis e desenvolvimento de qualquer arma de destruição em massa".

Agência Efe

O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, durante entrevista coletiva à imprensa em visita oficial à Coreia do Sul

Na quinta-feira (16/03), Tillerson já havia dito em Tóquio que "vinte anos de tentativas de persuadir a Coreia do Norte a abandonar seu programa nuclear falharam" e que ele estava visitando a Ásia para "trocar ideias sobre uma nova abordagem".

Em resposta, a Coreia do Norte convocou uma conferência de imprensa em sua embaixada em Pequim e responsabilizou os EUA pelo "potencial para a guerra nuclear" e reiterou que seu programa de testes atômicos irá continuar em prol de sua autodefesa.

Moscou: Escândalo nos EUA 'se parece muito com macartismo', critica chanceler russo

Mundo enfrenta maior e mais grave crise humanitária desde 2ª Guerra Mundial, diz ONU

Venezuela acusa secretário-geral da OEA de 'intervenção' e diz que ele é 'líder da oposição ao diálogo'

 

Tillerson critica medidas da China contra a Coreia do Sul

Durante seu discurso em Seul, o secretário de Estado dos EUA classificou de "inadequada e problemática" as medidas de boicote econômico da China para a Coreia do Sul pela implementação em seu território do escudo americano THAAD (destinado a interceptar mísseis norte-coreanos, mas criticado por Pequim por considerar que compromete sua segurança).

Nesse sentido, voltou a dizer em que o Sistema de Defesa Terminal de Área a Grande Altitude (THAAD, sigla em inglês), cuja instalação na Coreia do Sul começou na semana passada, é uma ferramenta "defensiva".

Além das tensões entre Pequim e Seul por conta do escudo, a visita de Tillerson acontece em um momento de especial tensão na península coreana.

Seul e Washington realizam atualmente em território sul-coreano suas maiores manobras militares em conjunto, depois que Pyongyang, que respondeu a estes exercícios lançando quatro mísseis balísticos no início do mês passado, efetuasse um número recorde de testes de armamentício em 2016.

Além disso, há ainda o caso do assassinato, em fevereiro, do irmão mais velho do líder norte-coreano na Malásia. Seul acusa abertamente a Coreia do Norte, que nega envolvimento no crime. 

 

*Com Agência Efe



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Milhares participam de Marcha pela Ciência

Protestos contra cortes na área científica propostos pela gestão Trump foram convocados em mais de 500 cidades; em Washington, cerca de 70 mil manifestantes se reúnem em frente à Casa Branca

 

À força, meu querer

Donald Trump e Kim Jong-un combinam guerra ao telefone: 'Duas ogivas de médio alcance. Assim acerta Tóquio, né?' 'Acho que devemos ter mais ousadia. Esse mundo tá muito chato. O Obama nem sabia fazer guerra direito. Coloca mais dois na Coreia, pode ser?'

 

Rafael Braga é condenado a 11 anos de prisão

Único condenado preso no contexto de junho de 2013, Braga estava em regime aberto com uso de tornozeleira quando foi preso por porte de 0,6 g de maconha, 9,3 g de cocaína e um rojão, que lhe foi atribuído pelos policiais que o prenderam

 

Mais Lidas