EUA consideram ação militar contra Coreia do Norte, diz secretário de Estado

Em visita à Coreia do Sul, Rex Tillerson afirmou que 'todas as opções estão sobre a mesa' em relação a ações de Washington contra Pyongyang; Coreia do Norte responsabilizou EUA por 'potencial para a guerra nuclear'

Atualizada às 09:16

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, disse nesta sexta-feira (17/03) em Seul, na Coreia do Sul, que a diplomacia da "paciência estratégica" exercida pelo governo de Barack Obama com a Coreia do Norte "terminou" e que uma ação militar de Washington contra Pyongyang "é uma opção".


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O chefe da diplomacia norte-americana falou em entrevista coletiva ao lado de seu colega sul-coreano, Yun Byung-se, e da mesma forma que fez na véspera no Japão, ressaltou que Washington planeja mudar sua política em direção ao governo de Kim Jong-un, mas não deu mais detalhes a respeito.

Tillerson disse que "todas as opções estão sobre a mesa" e que acredita que o melhor para o futuro da segurança e estabilidade econômica da Coreia do Norte "é abandonar seu programa nuclear e de mísseis e desenvolvimento de qualquer arma de destruição em massa".

Agência Efe

O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, durante entrevista coletiva à imprensa em visita oficial à Coreia do Sul

Na quinta-feira (16/03), Tillerson já havia dito em Tóquio que "vinte anos de tentativas de persuadir a Coreia do Norte a abandonar seu programa nuclear falharam" e que ele estava visitando a Ásia para "trocar ideias sobre uma nova abordagem".

Em resposta, a Coreia do Norte convocou uma conferência de imprensa em sua embaixada em Pequim e responsabilizou os EUA pelo "potencial para a guerra nuclear" e reiterou que seu programa de testes atômicos irá continuar em prol de sua autodefesa.

Moscou: Escândalo nos EUA 'se parece muito com macartismo', critica chanceler russo

Mundo enfrenta maior e mais grave crise humanitária desde 2ª Guerra Mundial, diz ONU

Venezuela acusa secretário-geral da OEA de 'intervenção' e diz que ele é 'líder da oposição ao diálogo'

 

Tillerson critica medidas da China contra a Coreia do Sul

Durante seu discurso em Seul, o secretário de Estado dos EUA classificou de "inadequada e problemática" as medidas de boicote econômico da China para a Coreia do Sul pela implementação em seu território do escudo americano THAAD (destinado a interceptar mísseis norte-coreanos, mas criticado por Pequim por considerar que compromete sua segurança).

Nesse sentido, voltou a dizer em que o Sistema de Defesa Terminal de Área a Grande Altitude (THAAD, sigla em inglês), cuja instalação na Coreia do Sul começou na semana passada, é uma ferramenta "defensiva".

Além das tensões entre Pequim e Seul por conta do escudo, a visita de Tillerson acontece em um momento de especial tensão na península coreana.

Seul e Washington realizam atualmente em território sul-coreano suas maiores manobras militares em conjunto, depois que Pyongyang, que respondeu a estes exercícios lançando quatro mísseis balísticos no início do mês passado, efetuasse um número recorde de testes de armamentício em 2016.

Além disso, há ainda o caso do assassinato, em fevereiro, do irmão mais velho do líder norte-coreano na Malásia. Seul acusa abertamente a Coreia do Norte, que nega envolvimento no crime. 

 

*Com Agência Efe



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas