Turquia convoca embaixador alemão para explicar manifestação de curdos em Frankfurt

"A Alemanha colocou seu nome em um novo escândalo", disse o porta-voz da Presidência turca, Ibrahim Kalin; Ancara considera que curdos são grupo terrorista

A crise diplomática entre os governos da Alemanha e da Turquia ganhou mais tensão neste domingo (19/03) após Ancara convocar o embaixador alemão para explicações. Nos meios diplomáticos, a convocação de um embaixador é vista como uma medida forte, que expressa o descontentamento de um país.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo o governo turco, a convocação refere-se a uma manifestação pró-curdos em Frankfurt, ocorrida no sábado (18), que reuniu cerca de 30 mil pessoas. "A Alemanha colocou seu nome em um novo escândalo", disse o porta-voz da Presidência turca, Ibrahim Kalin.

Para o governo de Recep Tayyip Erdogan, os grupos curdos - especialmente o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla em turco) - são organizações terroristas. Isso porque, militantes ligados aos curdos são acusados de realizar frequentes ataques e emboscadas contra militares da Turquia.

Agência Efe

Em manifestação pelo ano novo iraniano, curdos foram às ruas em Frankfurt pedir liberdade a líder Abdullah Ocalan

Trump diz que imigração 'é privilégio, não direito' em primeiro encontro com Merkel na Casa Branca

Trump ignora pedido de aperto de mãos com Merkel em primeira visita de chanceler alemã

SPD confirma Schulz como rival de Merkel nas eleições alemãs

 

No entanto, os grupos curdos são fundamentais para os países ocidentais no combate aos extremistas do Estado Islâmico (EI) e Frente al Nusra na Síria, que faz fronteira com a Turquia. Por isso, para o Ocidente - e até mesmo para a Rússia - os curdos não são considerados terroristas e sim grupos que lutam por sua independência de Ancara.

Além de convocar o embaixador, o presidente Erdogan acusou a chanceler Angela Merkel de "apoiar terroristas", referindo-se ao caso da prisão do jornalista turco-alemão Deniz Yucel, do jornal Die Welt, preso em fevereiro no país. A chanceler alemã criticou a prisão de Yucel no fim do mês passado e disse esperar um "tratamento justo e leal" da Justiça e do governo ao jornalista.

A prisão do alemão é apenas uma das milhares de prisões feitas na Turquia - incluindo inúmeros jornalistas - desde a tentativa fracassada de golpe contra Erdogan, em julho do ano passado.

(*) Com Ansa



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas