Túmulo restaurado de Jesus Cristo será inaugurado nesta quarta-feira em Jerusalém

Localizado na Igreja do Santo Sepulcro, túmulo onde Jesus teria sido enterrado após crucificação passou por nove meses de reforma, que custou seis milhões de euros

O túmulo restaurado onde teria sido enterrado o corpo de Jesus Cristo após sua crucificação será inaugurado oficialmente nesta quarta-feira (22/03) em uma cerimônia na Igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém, após nove meses de reformas que custaram 6 milhões de euros. O anúncio foi feito pelos responsáveis pela restauração nesta segunda-feira (20/03).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Agora é possível ver a cor e a textura, as inscrições, os afrescos", disse a restauradora Antonia Moropoulou junto à estrutura centenária. A tradição cristã considera que ali ocorreu o enterro e a ressurreição de Jesus.

As lâminas de mármore da armação foram limpas e sua estabilidade foi reforçada, lajes danificadas foram substituídas, fissuras foram cobertas com cola e suportes foram reforçados para um "monumento que durará para sempre", segundo a chefe grega da restauração.

“Se a intervenção não tivesse acontecido logo, havia o risco grande de que a estrutura desmoronasse”, disse à agência de notícias AP Bonnie Burnham, do Fundo de Monumentos Mundiais, que supervisionou o projeto.

Reprodução / The Guardian

Segundo a tradição cristã, restos mortais de Jesus Cristo estão neste túmulo em Jerusalém

A restauração foi realizada por uma equipe de mais de 50 especialistas da Universidade Técnica Nacional de Atenas que havia trabalhado anteriormente nas restaurações da Acrópole grega e da Basílica de Santa Sofia, em Istambul, na Turquia.

'Redwashing': discursos de 'esquerda' para limpar os crimes do Estado de Israel

Vítima de abuso abandona comissão antipedofilia do papa e critica falta de cooperação de setores da igreja

Nações islâmicas denunciam 'institucionalização de islamofobia' com ascensão de extrema-direita no mundo

 

Os restauradores trabalham principalmente à noite, para que turistas e peregrinos pudessem continuar visitando o monumento. O templo do Santo Sepulcro só foi fechado ao público por 36 horas, quando foi retirada a lápide que cobria a cova original de Jesus Cristo, um feito que não acontecia há cinco séculos.

No final de fevereiro, os andaimes colocados pelos britânicos em 1947 foram removidos e as lonas e tapumes que cercam a Edícula seriam retirados antes da apresentação oficial nesta quarta-feira.

Reprodução / The Guardian

Segundo a tradição cristã, restos mortais de Jesus Cristo estão neste túmulo em Jerusalém

No alto da cúpula reluz uma cruz greco-ortodoxa, que não estava antes da restauração e que, segundo o franciscano e arqueólogo Eugenio Alliata, poderia pertencer ao projeto original da Edícula.

Com um orçamento inicial de 3 milhões de euros, a equipe restauradora contou com um financiamento total de 6 milhões, 80% por doações vindas do exterior, declarou Burnham à Agência Efe.

Moropoulou se mostrou satisfeita com os trabalhos e pede agora à comunidade cristã "que o mantenha".

israeltourism / Flickr CC

Igreja do Santo Sepulcro fica em Jerusalém

Também foi de grande complexidade drenar a água e os resíduos subterrâneos acumulados nos alicerces que estavam deteriorando o esqueleto da Edícula, um trabalho que teria que continuar para evitar uma deterioração no futuro.

No mês passado, a chefe da restauração entregou aos três Custódios – o greco-ortodoxo, o armênio apostólico e o católico romano – o projeto de "estabilização de alicerces" que estes ainda estão estudando.

As obras foram possíveis graças ao acordo das três igrejas e Moropoulou espera que esta reforma inaugure uma "nova era para a Terra Santa, uma era de comunicação".

 

*Com Agência Efe

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias