Túmulo restaurado de Jesus Cristo será inaugurado nesta quarta-feira em Jerusalém

Localizado na Igreja do Santo Sepulcro, túmulo onde Jesus teria sido enterrado após crucificação passou por nove meses de reforma, que custou seis milhões de euros

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O túmulo restaurado onde teria sido enterrado o corpo de Jesus Cristo após sua crucificação será inaugurado oficialmente nesta quarta-feira (22/03) em uma cerimônia na Igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém, após nove meses de reformas que custaram 6 milhões de euros. O anúncio foi feito pelos responsáveis pela restauração nesta segunda-feira (20/03).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Agora é possível ver a cor e a textura, as inscrições, os afrescos", disse a restauradora Antonia Moropoulou junto à estrutura centenária. A tradição cristã considera que ali ocorreu o enterro e a ressurreição de Jesus.

As lâminas de mármore da armação foram limpas e sua estabilidade foi reforçada, lajes danificadas foram substituídas, fissuras foram cobertas com cola e suportes foram reforçados para um "monumento que durará para sempre", segundo a chefe grega da restauração.

“Se a intervenção não tivesse acontecido logo, havia o risco grande de que a estrutura desmoronasse”, disse à agência de notícias AP Bonnie Burnham, do Fundo de Monumentos Mundiais, que supervisionou o projeto.

Reprodução / The Guardian

Segundo a tradição cristã, restos mortais de Jesus Cristo estão neste túmulo em Jerusalém

A restauração foi realizada por uma equipe de mais de 50 especialistas da Universidade Técnica Nacional de Atenas que havia trabalhado anteriormente nas restaurações da Acrópole grega e da Basílica de Santa Sofia, em Istambul, na Turquia.

'Redwashing': discursos de 'esquerda' para limpar os crimes do Estado de Israel

Vítima de abuso abandona comissão antipedofilia do papa e critica falta de cooperação de setores da igreja

Nações islâmicas denunciam 'institucionalização de islamofobia' com ascensão de extrema-direita no mundo

 

Os restauradores trabalham principalmente à noite, para que turistas e peregrinos pudessem continuar visitando o monumento. O templo do Santo Sepulcro só foi fechado ao público por 36 horas, quando foi retirada a lápide que cobria a cova original de Jesus Cristo, um feito que não acontecia há cinco séculos.

No final de fevereiro, os andaimes colocados pelos britânicos em 1947 foram removidos e as lonas e tapumes que cercam a Edícula seriam retirados antes da apresentação oficial nesta quarta-feira.

Reprodução / The Guardian

Segundo a tradição cristã, restos mortais de Jesus Cristo estão neste túmulo em Jerusalém

No alto da cúpula reluz uma cruz greco-ortodoxa, que não estava antes da restauração e que, segundo o franciscano e arqueólogo Eugenio Alliata, poderia pertencer ao projeto original da Edícula.

Com um orçamento inicial de 3 milhões de euros, a equipe restauradora contou com um financiamento total de 6 milhões, 80% por doações vindas do exterior, declarou Burnham à Agência Efe.

Moropoulou se mostrou satisfeita com os trabalhos e pede agora à comunidade cristã "que o mantenha".

israeltourism / Flickr CC

Igreja do Santo Sepulcro fica em Jerusalém

Também foi de grande complexidade drenar a água e os resíduos subterrâneos acumulados nos alicerces que estavam deteriorando o esqueleto da Edícula, um trabalho que teria que continuar para evitar uma deterioração no futuro.

No mês passado, a chefe da restauração entregou aos três Custódios – o greco-ortodoxo, o armênio apostólico e o católico romano – o projeto de "estabilização de alicerces" que estes ainda estão estudando.

As obras foram possíveis graças ao acordo das três igrejas e Moropoulou espera que esta reforma inaugure uma "nova era para a Terra Santa, uma era de comunicação".

 

*Com Agência Efe

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Justiça da UE condena Alemanha por poluição da água

Tribunal de Justiça da União Europeia considera que Berlim não fez o suficiente para deter contaminação de águas subterrâneas por nitrato; índices continuam altos apesar de leis mais severas para fertilizantes agrícolas