Irã condena 'firmemente' bombardeio dos EUA contra Síria

Ataques 'consolidarão as posições dos terroristas e agravarão ainda mais a situação na Síria', diz Ministério de Relações Exteriores do Irã; diplomata iraniano compara bombardeio a invasão pelos EUA do Iraque em 2003 e do Afeganistão em 2011

O Irã condenou “firmemente” o ataque realizado pelos EUA contra a base aérea na Síria nesta sexta-feira (07/04).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Para o Ministério de Relações Exteriores do Irã, os ataques contra o Exército sírio "consolidarão as posições dos terroristas e agravarão ainda mais a situação na Síria".

Do ponto de vista de Teerã, o suposto ataque químico na província de Idlib na última terça-feira (04/04) foi usado "como pretexto para ações unilaterais que representam uma ameaça e são contrárias ao Direito Internacional".

Hossein Sheikholeslam, conselheiro do ministro do Exterior do Irã e ex-embaixador do Irã na República Árabe Síria (198-2003), disse à Sputnik Persa que o ataque dos EUA “foi planejado”.

Agência Efe

O presidente iraniano, Hassan Rouhani; país condenou ataque dos EUA contra Síria

"A base aérea Shayrat é uma base importante do exército sírio. Foi a partir desse aeródromo que foram atacados os aviões de combate israelenses que estavam no espaço aéreo sírio. Shayrat é um dos principais campos de operações militares na luta contra o terrorismo", afirmou Sheikholeslam.

Ele frisa que os EUA deveriam ter esperado pelos resultados da investigação aos ataques químicos em Idlib, mas como não se interessam pelas investigações e não tinham intenção de esperar, eles tiraram suas próprias conclusões e atacaram.

Merkel e Hollande culpam Assad por ataque contra Síria; Reino Unido, Canadá e Israel também apoiam EUA

Bombardeio dos EUA estava planejado antes de suposto ataque químico na Síria, diz Rússia

Ao bombardear a Síria, Trump ameaça a humanidade

 

"É obvio que se trata de um conluio que foi necessário naquelas condições, quando os terroristas ficaram desmoralizados. Os extremistas estão perdendo. A preponderância política está do lado do governo sírio e seus aliados como o Hezbollah, Irã e Rússia. A relação de forças mudou na linha de frente. E os lados que perderam, os EUA, Israel e Arábia Saudita, criaram este conluio para que os extremistas possam continuar sua atividade destruidora", disse o político.

Sheikholeslam afirma que a realização por parte do governo sírio de um ataque químico seria “um passo louco e irracional”, pois todos os arsenais químicos estão sob o controle da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) e seria ridículo trilhar este caminho.

"É muito importante que o povo norte-americano não permita que seu exército se torne um exército de mercenários e atue nos interesses de alguém que lhe paga", opina o ex-embaixador.

Ele acredita que a tensão apenas irá aumentar e pode ter consequências perigosas e irreversíveis parecidas às que ocorreram depois da invasão pelos EUA do Iraque em 2003 e do Afeganistão em 2011.

"Até hoje estamos sofrendo as consequências dessas agressões. O terrorismo gerado é um resultado das ações voluntariosas que contradizem a Carta das Nações Unidas contra um Estado soberano e membro da ONU", concluiu Hossein Sheikholeslam.

 

*Com Sputnik

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Meu primeiro festival pornô

No PopPorn, festival de pornografia alternativa que acontece todos os anos em São Paulo desde 2010, repórter aprende sobre shibari e BSDM, acompanha performances sexuais e aprende como fazer seu próprio pornô