Israel pune com cela solitária prisioneiros palestinos em greve de fome

Mais de 1.500 palestinos confinados em prisões israelenses aderiram a greve de fome em protesto a 'tratamento desumano' no cárcere; além de solitária, autoridades têm confiscado objetos pessoais e transferindo presos para tentar enfraquecer movimento

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Autoridades prisionais de Israel estão atuando “medidas disciplinares” para tentar conter o protesto de cerca de 1.500 prisioneiros palestinos, que iniciaram uma greve de fome nesta segunda-feira (17/04) contra as condições nas prisões israelenses.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Tais medidas incluem o confisco de roupas e objetos pessoais dos detentos, a transferência para outras instalações prisionais e confinamento em cela solitária, segundo o Serviço Prisional de Israel anunciou nesta terça-feira (18/04).

As autoridades também estabeleceram um hospital de campo no deserto de Naqab para evitar que os presos sejam levados a hospitais civis de Israel, que até hoje se recusaram a realizar procedimentos de alimentação forçada em prisioneiros palestinos em greve de fome, segundo o site Al Jazeera.

Cerca de 1.500 de prisioneiros palestinos em instalações israelenses começaram uma greve de fome nesta segunda-feira, 17 de abril, quando é comemorado o "Dia do Prisioneiro", em solidariedade a palestinos confinados em prisões de Israel.

A greve foi convocada por Marwan Barguti, que é um dos líderes do partido nacionalista Fatah e cumpre cinco penas de prisão perpétua por ataques durante a última Intifada. Em artigo publicado neste domingo (16/04) no jornal norte-americano The New York Times, Barguti afirmou que “prisioneiros palestinos sofrem tortura, tratamento desumano e degradante e negligência médica”. “Apesar de tal tratamento, não nos renderemos”, escreveu.

Agência Efe

Palestinos protestaram nesta segunda-feira (17/04) em Ramallah, na Cisjordânia, com fotos de familiares e conhecidos presos por Israel

Palestina critica decisão de Guterres de retirar relatório que acusa Israel de 'apartheid' do site da ONU

Netanyahu reduz financiamento à ONU após resoluções contra Israel

Procuradora-geral da Argentina considera ilegal e arbitrária prisão de líder comunitária Milagro Sala

 

Barguti é um dos prisioneiros que foram transferidos e colocados em celas solitárias, assim como Karim Younis e Mahmoud Abu Srour, outros líderes do movimento, informou o Comitê Palestino para Prisioneiros de Israel.

Em comunicado, o Serviço Prisional de Israel confirmou as “medidas disciplinares” e disse que “não negocia com prisioneiros”.

O ministro de Segurança Interna de Israel, Gilad Erdan, afirmou nesta terça-feira (18/04) que os presos palestinos “são terroristas e assassinos encarcerados que estão tendo o que merecem”. “Não temos motivo nenhum para negociar com eles”, disse Erdan à imprensa israelense.

As demandas dos presos palestinos incluem o restabelecimento de visitas familiares regulares, a permissão da entrada de livros e jornais nas prisões e o fim da negligência médica, do isolamento dos detentos e das detenções administrativas – que permite o encarceramento de uma pessoa sem ser levada a julgamento por períodos prorrogáveis de seis meses, em muitos casos sem sequer saber de que é acusada.

Agência Efe

Palestinos protestaram nesta segunda-feira (17/04) em Ramallah, na Cisjordânia, com fotos de familiares e conhecidos presos por Israel

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Precisamos falar sobre a Globo

Além de discutir a concentração de audiência e de propriedade de mídia no país, entrevista traz bastidores de ex-editora do Jornal Nacional e ex-repórter do jornal O Globo