Atirador abre fogo na avenida Champs-Elysées, em Paris

Incidente aconteceu por volta das 21h locais (16h em Brasília); polícia fechou acessos à avenida, uma das mais importantes da capital francesa

Atualizada às 17:32

Um atirador abriu fogo nesta quinta-feira (20/04) na avenida Champs-Elysées, em Paris, por volta das 21h locais (16h em Brasília). Um policial morreu e outros dois teriam ficado feridos, segundo informações preliminares. No domingo (23/04), acontecem as eleições presidenciais no país.

Relatos dão conta de que os policiais eram o alvo do ataque e que foram atingidos quando estavam parados em um sinal vermelho na avenida Champs-Élysées, uma das mais importantes de Paris.

Um porta-voz do Ministério do Interior francês disse que o agressor dirigiu até o lugar do ataque, desceu do carro e usou uma arma automática para atirar contra uma viatura da polícia.

Um policial morreu e outros dois ficaram seriamente feridos. O agressor tentou atirar em outras pessoas enquanto fugia e foi morto a tiros pela polícia, disse o Ministério do Interior.

Foi aberta uma investigação antiterrorista. Forças de segurança interditaram a Champs-Élysées e as vias adjacentes e pediram que a população evite o local.

O próximo inquilino do Eliseu

França: a esquerda vive quando não se rende

França prende dois suspeitos de planejar atentado

 

Daxis / Flickr CC

A avenida Champs-Élysées, uma das principais de Paris, onde um atirador abriu fogo contra policiais nesta quinta-feira (20/04)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias