Conselho de Segurança condena lançamento de mísseis da Coreia do Norte e exige que país abandone testes

Órgão das Nações Unidas classificou como “altamente desestabilizador” comportamento da Coreia do Norte e disse que lançamento dos mísseis é um "flagrante e provocador desafio" ao Conselho de Segurança

O Conselho de Segurança da ONU condenou nesta quinta-feira (20/04) o último lançamento de mísseis da Coreia do Norte e exigiu que o país abandone os testes armamentistas imediatamente. A condenação foi feita em um comunicado assinado pelos 15 Estados-membros, e só foi divulgada agora por conta de diferenças entre EUA e Rússia.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O órgão das Nações Unidas classificou como “altamente desestabilizador” o comportamento da Coreia do Norte e disse que o lançamento dos mísseis é um "flagrante e provocador desafio" ao Conselho de Segurança.

O país asiático está proibido de fazer este tipo de teste, considerado pela comunidade internacional como parte do desenvolvimento de seu programa de armas nucleares. O Conselho afirmou que os lançamentos são "ilegais" e "estão aumentado a tensão na região e além".

Além disso, os 15 países afirmaram que estão prontos para impor novas "sanções" a Pyongyang, endurecendo ligeiramente um parágrafo que, em outras ocasiões, falava somente de "medidas suplementares".

Agência Efe

Conselho de Segurança da ONU condenou lançamento de mísseis da Coreia do Norte

Estados Unidos preparam 'ataque preventivo' caso Coreia do Norte faça teste nuclear, diz emissora

Coreia do Norte diz que está pronta para guerra nuclear contra Estados Unidos

Kim Jong-un e os loucos de Washington

 

Tensão Rússia-EUA

Apesar do acordo final, a negociação do texto foi responsável por um novo capítulo nas tensões entre Estados Unidos e Rússia nas Nações Unidas.

Os EUA propuseram na quarta-feira (19/04) um texto que omitia uma tradicional menção ao "diálogo" no contexto dos esforços internacionais para resolver a situação na península coreana, algo ao que se opôs a Rússia, que pediu a manutenção da linguagem habitual.

A delegação russa criticou hoje que, perante essa solicitação, os EUA decidiram retirar o texto e dizer que Moscou havia "bloqueado" o comunicado.

A embaixadora americana, Nikki Haley, disse, por sua vez, que a Rússia era o único membro que tinha objeções ao texto original, mas quis tirar peso do assunto, destacando que finalmente foi possível pactuar uma declaração.

"Ninguém no Conselho quer ver a Coreia do Norte seguir adiante com nenhum tipo de teste ou ataque e acredito que o comunicado deixa isso muito claro", opinou Haley. 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Meu primeiro festival pornô

No PopPorn, festival de pornografia alternativa que acontece todos os anos em São Paulo desde 2010, repórter aprende sobre shibari e BSDM, acompanha performances sexuais e aprende como fazer seu próprio pornô