À espera de depoimento de Lula, movimentos sociais fazem vigília pela democracia em Curitiba

Militantes de todo o país tomaram as ruas da capital paranaense em marcha que se converteu em ato ecumênico, com a participação de lideranças religiosas

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e demais movimentos sociais que compõem a Frente Brasil Popular, lideranças políticas e grupos religiosos e militantes de todo o país realizaram uma vigília ecumênica na noite desta terça-feira (09/08) em Curitiba. As ações fazem parte das mobilizações em solidariedade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que deve depor ao juiz Sérgio Moro na tarde desta quarta-feira (10/05). 


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Foram cerca de 5.000 participantes que partiram do acampamento Jornada pela Democracia, localizado nos arredores da Rodoferroviária de Curitiba, e marcharam com tochas e velas pelas ruas da capital paranaense até a praça Tiradentes, no centro da cidade, onde se realizou a vigília. 

Participaram da vigília lideranças católicas, evangélicas, umbandistas e budistas, além de representante do movimento LGBT. Dentre as lideranças políticas, estavam o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), o deputado federal Zeca Dirceu (PT-PR), a vereadora Juliana Cardoso (PT-SP) e o governador do Piauí, José Wellington Dias (PT-PI), além do presidente do PT, Rui Falcão. 

Os atos ocorreram pacificamente, à exceção de um ataque isolado com morteiros contra o acampamento dos movimentos sociais durante a madrugada, que deixou dois militantes feridos.

Mídia Ninja

Manifestantes marcharam com torchas e velas até a praça Tiradentes, na capital paranaense

Promotor não vê indícios de execução em morte de jovem que estava algemado dentro de viatura policial e com as mãos para trás

Exercício militar sinaliza reaproximação entre Brasil e EUA a países sul-americanos, diz especialista

Para entidades, relatório sobre direitos humanos apresentado por Brasil à ONU está distante da realidade

 

Em nota, a Frente Brasil Popular repudiou a ação. Leia:

A Frente Brasil Popular repudia ataque contra acampamento do MST que resultou em duas pessoas feridas

Durante a madrugada desta quarta-feira (10), por volta da 1h30, foguetes foram lançados contra o acampamento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). O saldo deste ataque covarde resultou em duas pessoas feridas. Um adulto com queimaduras e uma criança atingida no olho por estilhaços do explosivo.

O ataque, mais do que demonstrar uma aversão à democracia, reforça a ideia de intolerância e métodos violentos utilizados por grupos isolados que se opõe à agenda de manifestações pacíficas que acontecem em Curitiba desde a manhã desta terça-feira.

Ao contrário do que propagaram determinados setores da sociedade, o clima das manifestações é de paz, alegria e disposição para defender um estado democrático de direito que garanta direitos sociais. Na pauta de todas as atividades estão a defesa da aposentadoria e dos direitos trabalhistas, temas que interessam toda a sociedade. Uma agenda programática e concreta.

A Frente Brasil Popular Paraná repudia, de forma veemente, estes ataques que feriram não apenas duas pessoas, mas o processo democrático como um todo. Da mesma forma, ressaltamos o caráter pacífico de nossas manifestações e aguardamos que as autoridades responsáveis, que movimentaram todo o aparato público de segurança para atividades da jornada pela democracia, investiguem, encontrem os responsáveis e encaminhem uma punição dentro dos termos da lei.

Frente Brasil Popular Paraná
10 de maio de 2017

(*) Publicado originalmente em Rede Brasil Atual

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias