Alemanha lucrou 1,3 bilhão de euros com dívida grega desde 2009

Banco do Desenvolvimento e Banco Central da Alemanha teriam arrecadado quantia em juros sobre empréstimos à Grécia, enquanto Banco Central Europeu coletou juros de mais de 1,1 bilhão de euros sobre dívida grega em 2016

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Desde 2009, início da crise financeira na Grécia, a Alemanha lucrou 1,3 bilhão de euros (equivalentes a R$ 4,7 bilhões) em decorrência de empréstimos e programas de compras de dívidas gregas.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo dados do Ministério das Finanças da Alemanha reportados pelo jornal alemão Suddeutsche Zeitung, o Banco do Desenvolvimento do país (KfW) teria arrecadado 393 milhões de euros em juros de um empréstimo feito à Grécia no valor de 15,2 milhões de euros em 2010.

Ainda de acordo com o ministério, entre os anos de 2010 e 2012 o Banco Central da Alemanha acumulou 952 milhões de euros oriundos de um regime de compra da dívida estatal grega organizado pelos bancos centrais dos países da zona do euro.

Agência Efe / Arquivo

Alexis Tsipras, primeiro-ministro grego, e Angela Merkel, chanceler alemã; Alemanha deixou de restituir à Grécia juros arrecadados com a dívida do país

Grécia e Espanha têm maiores taxas de desemprego da UE; República Tcheca e Alemanha, as menores

Mais de 500 crianças foram vítimas de violência em catedral católica na Alemanha, aponta denúncia

Polícia alemã matou 11 pessoas em 2016

 

Já o Banco Central Europeu coletou juros de mais de 1,1 bilhão de euros em 2016 sobre os 20 bilhões de euros de bônus da dívida grega dos quais é titular, segundo o Suddeutsche Zeitung.

Um acordo firmado entre os países da zona do euro previa que todos os lucros obtidos com os empréstimos à Grécia retornariam ao Banco Central grego. Porém, a operação de devolução dos lucros foi interrompida em 2015, ano em que foi eleito como premiê grego o esquerdista Alexis Tsipras. De acordo com o jornal francês Les Echos, a suspensão da restituição se deu por razões políticas, devido às tensões entre Tsipras e a troika (Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu, credores da Grécia).

Sven Christian Kindler, porta-voz do Partido Verde no Parlamento alemão, afirmou que “pode ser legal o que a Alemanha está fazendo com a Grécia, mas não é legítimo num sentido moral de solidariedade”.

"Os juros acumulados devem ser devolvidos à Grécia. Não é possível que Wolfgang Schäuble [ministro das Finanças alemão] queira recuperar o orçamento alemão com lucros vindos da Grécia", disse Manuel Sarrazin, também membro do Partido Verde no Parlamento alemão. 

Após pressão dos países da zona do euro, o governo grego sancionou medidas de austeridade buscando controlar os gastos estatais. No ano passado, Schäuble afirmou que a Grécia deveria intensificar a austeridade se quisesse permanecer na zona do euro e descartou perdoar a dívida grega. 

Em junho, ministros da zona do euro concordaram em liberar 8,5 bilhões de euros em empréstimos para a Grécia para ajudar o país a pagar empréstimos anteriores de quase 7,3 bilhões de euros.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990