Aula Pública Opera Mundi: o que levou à Revolução Russa em 1917?

Professor Vitor Schincariol, da UFABC, explica as condições e o contexto que resultaram na ascensão da União Soviética

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Em 1917, a Rússia — um Estado autocrático e ditatorial — era um caldeirão político, absolutamente opressivo. Esse foi cenário que fomentou a resistência dos trabalhadores. O envolvimento do país na Primeira Guerra Mundial significou um gasto enorme com armas, soldados no front e outras despesas bélicas. Como consequência, houve degradação vertiginosa das condições de vida, levando trabalhadores e soldados à união que, mais tarde, provocaria a queda do Estado czarista.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi


Essa é análise de Vitor Schincariol, doutor em História Econômica pela USP e professor da UFABC, durante a Aula Pública sobre O Que Levou à Revolução Russa em 1917?

Para o especialista, com as condições políticas adversas e o envolvimento na Primeira Guerra, questões econômicas e e sociais criaram um forte movimento trabalhista com várias correntes políticas — cada qual com sua especificidade —, resultando numa organização popular para derrubar o Estado czarista.

Wikimedia Commons

Vladimir Ilyych Lenin fala a tropas do Exército Vermelho diante do Teatro Bolshoi, em Moscou, em 1920; embaixo à direita estão Leon Trotsky e Lev Kamenev

"A mobilização do proletariado, ao longo da guerra, se dirigia do ponto de vista socialista. Logo, o elemento central que vai explicar o porquê dos trabalhadores conseguirem derrubar o Estado czarista é a situação extremamente precária, do ponto de vista econômico, que o país chegou em 1917. Quando falamos em precariedade, tratamos, por exemplo, de ração diária servida à população: chá e um pão, sendo este várias vezes escasso", explica.

Assita ao primeiro bloco da Aula Pública com Vitor Schincariol: o que levou à Revolução Russa?

Aula Pública Opera Mundi: por que há tão poucas artistas mulheres?

Aula Pública com Frederico de Almeida: como é formada a elite da Justiça brasileira?

Aula Pública com Juarez Xavier: por que mídias radicais são fundamentais para as contranarrativas populares?

 

No segundo bloco, professor Vitor Schincariol responde perguntas do público da UFABC, em São Bernardo do Campo


Outro aspecto decisivo para compreender a queda do Estado czarista foi a politização dos soldados a partir de uma perspectiva de esquerda. Na associação das Forças Armadas com o proletariado, surgiu o que se convencionou chamar de sovietes.

"Não só a Guerra deveria ser encerrada, mas também o próprio Estado que conduziu o país para o conflito deveria ser substituído por uma organização mais democrática, baseada na formação de conselhos de trabalhadores e soldados. O soviete nada mais é que o conjunto de conselhos que passaram a ser formados no interior da Rússia, nas fábricas — com a participação dos trabalhadores — e nas Forças Armadas — com os soldados", explica Vitor.

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, Vitor Schincariol explica as razões para o surgimento da União Soviética

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington