Ministro da Defesa venezuelano diz que ameaça militar de Trump é 'loucura'

'Há uma elite extremista no governo dos EUA, sobre a qual eu realmente não sei o que está acontecendo. O que vai a acontecer no mundo?', questionou Padrño Lopez

O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, tachou nesta sexta-feira (12/08) de "loucura" a ameaça feita pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que disse que uma "ação militar" não está descartada no país sul-americano.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Eu digo que isto é um ato de loucura, de supremo extremismo. Há uma elite extremista no governo dos EUA, sobre a qual eu realmente não sei o que está acontecendo. O que vai a acontecer no mundo, se eles vão acabar com a humanidade, com o planeta Terra e todos os seus recursos?", disse o ministro.

Durante uma entrevista por telefone à emissora estatal VTV, Padrino López disse preferir que a diplomacia venezuelana tome uma posição pelo governo, e acrescentou que, "como um soldado", estará ao lado das forças armadas "na primeira fileira, defendendo os interesses e a soberania" da Venezuela.

Agência Efe

Trump ameaçou Venezuela com 'ação militar', se considerar necessário

Visão do Ocidente sobre Venezuela é 'irresponsável', diz Dilma Rousseff

Após Caracas protestar contra reunião em Lima, Peru expulsa embaixador venezuelano do país

Trump diz que não descarta 'opção militar' para intervir na Venezuela

 

O ministro de Comunicações venezuelano, Ernesto Villegas, informou pouco depois que o governo de Nicolás Maduro notificou o corpo diplomático acreditado em Caracas para tratar deste assunto neste sábado (12/08), "quando será divulgado um comunicado sobre a ameaça imperialista contra a Venezuela".

"Temos muitas opções para a Venezuela, inclusive uma possível ação militar se for necessário", disse Trump em seu clube de golfe de Bedminster (Nova Jersey), onde está passando suas férias, após reunir-se com o secretário de Estado, Rex Tillerson; a embaixadora na ONU, Nikki Haley, e seu conselheiro de segurança nacional, H.R. McMaster.

"Não vou descartar uma ação militar (...). A opção militar é algo que, certamente, podemos buscar", enfatizou o presidente americano aos jornalistas.

"Temos tropas no mundo todo, em lugares muito distantes. A Venezuela não é muito longe. E as pessoas estão sofrendo e morrendo", acrescentou Trump.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Protesto anti-Trump acaba em confronto no Líbano

Violência segue intensa no Oriente Médio após decisão americana de reconhecer Jerusalém. Policiais reprimem manifestação perto da embaixada americana em Beirute e, na cidade disputada, oficial israelense é esfaqueado