Líder da Farc pede, em carta, perdão ao papa Francisco pelas vítimas da guerrilha

'Timochenko' afirmou também que ex-guerrilheiros perdoaram aqueles que eram seus 'inimigos' e realizaram um 'ato de contrição indispensável'

O líder máximo das Farc, Rodrigo Londoño Echeverri, conhecido como "Timochenko", pediu perdão nesta sexta-feira (08/09) em uma carta ao papa Francisco pelas milhares de vítimas da guerrilha na Colômbia.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Suas reiteradas exposições sobre a misericórdia infinita de Deus me movem a suplicar por seu perdão por qualquer lágrima ou dor que tenhamos causado ao povo da Colômbia ou a um de seus integrantes", escreveu "Timochenko".

Londoño acrescentou que as Farc, que se transformaram no partido político , após a guerrilha abandonar as armas, rejeitaram "qualquer manifestação de ódio e de violência".

Além disso, disse que os ex-guerrilheiros perdoaram aqueles que eram seus "inimigos" e realizaram um "ato de contrição indispensável" para reconhecer seus "erros e pedir perdão a todos os homens e mulheres que de algum modo foram vítimas" de suas ações.

 

Governo colombiano e ELN anunciam acordo de cessar-fogo bilateral temporário

Papa pede reconciliação entre Colômbia e Farc

Cidade colombiana se prepara para ver população duplicar durante missa papal

 

Na carta, o ex-líder insurgente implorou ao papa para "convidar todo o povo colombiano a orar para que não se frustre o enorme esforço que envolveu formar a mesa de conversações" para o acordo de paz que o governo e Farc assinaram no ano passado.

Agência Efe

"Timochenko" durante o lançamento público do novo partido colombiano Força Alternativa Revolucionária do Comum


"Timochenko" se desculpou com o pontífice por não comparecer à sua excursão de cinco dias pela Colômbia e indicou que sua ausência se deve a "problemas de saúde", após ter sofrido um ataque isquêmico transitório em julho, do qual se recupera em Cuba.

Finalmente, disse ter certeza de que a passagem de Francisco pelo país marcará a história da Colômbia e que o amor professado pelo papa ao povo colombiano trará "a paz, a reconciliação e a justiça que tanto desejam os filhos e filhas desta pátria".

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias