Bolívia é país que mais reduziu desigualdade salarial nos últimos 15 anos na América Latina, diz relatório

Educação, aumento do salário mínimo e formalização do trabalho influíram no resultado, segundo estudo do Banco Mundial

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Um relatório do Banco Mundial publicado na semana passada informou que, nos últimos 15 anos, a Bolívia atingiu o melhor desempenho na redução da diferença salarial entre os países da América Latina.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo o coeficiente de Gini, parâmetro utilizado na pesquisa, a desigualdade de salários no país, que, em 2003, correspondia a 0,53, agora está em 0,44. O coeficiente de Gini indica um número entre 0 e 1, onde 0 corresponde ao melhor indicador, ou seja, a igualdade absoluta; e 1, o pior.

A pesquisa mostra que este avanço se deve principalmente a três aspectos: ao desenvolvimento educacional, ao aumento real do salário mínimo nacional e a uma maior formalização do trabalho.

Até 2005, um ano antes da vitória do atual presidente do país, Evo Morales, o salário mínimo nacional era de 440 pesos bolivianos, o que equivale a cerca de 200 reais. Em 2017, o salário mínimo passou a ser 2 mil pesos, equivalente a 940 reais, o que representa um aumento de 400%, enquanto a inflação anual média durante esses anos foi de 6%.

 

Cliff Hellis/Flickr CC

La Paz, na Bolívia: país foi o que mais reduziu desigualdade salarial na América Latina

O ministro de Trabalho, Emprego e Previdência Social, Héctor Hinojosa, pontuou que o aumento salarial foi estabelecido como política de Estado. "O salário é um mecanismo que dinamiza a economia, é uma parte fundamental do nosso modelo, que se sustenta no mercado interno, e é preciso dinamizá-lo", explicou.

O ministro ainda destacou as políticas de redução do desemprego e afirmou que o governo pretende reduzir a taxa de desemprego a 3,5% antes do final do ano. "Quando iniciamos o Programa de Apoio ao Emprego [em 2012], a taxa de desemprego estava em 4,5%", relembrou. Hinojosa esclareceu que "com este investimento que estamos fazendo, em quatro ou cinco meses de atividade, chegaremos a 3,5%. É o que calculamos", disse.

Como aponta o Banco Mundial, a formalização do trabalho - em uma economia com uma forte tradição de trabalho informal - também contribuiu para melhorar os indicadores salariais e a qualidade educacional, considerada "fundamental para criar habilidades que levem a salários mais altos e meios de subsistência sustentáveis".

O crescimento econômico anual de 4% também influiu na redução da desigualdade salarial, pois facilitou a distribuição e a implementação de políticas públicas progressivas. O vice-ministro do Orçamento e da Contabilidade Fiscal do país, Jaime Durán Chuquimia, assegurou que espera que a Bolívia "continue nessa dinâmica para dignificar os salários dos trabalhadores bolivianos”.

(*) Publicado em português no Brasil de Fato

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Não podemos mais confiar na Casa Branca'

Ministro do Exterior da Alemanha reage às declarações de Trump, que descreveu a UE como um 'inimigo' dos EUA no comércio. Heiko Maas convoca uma Europa 'unida e soberana' para preservar a parceria com Washington