Itália tem 1º caso de morte baseado em lei do 'biotestamento'

Mulher autorizou desligamento de aparelhos; Patrizia Cocco era portadora de esclerose lateral amiotrófica e estava em tratamento paliativo

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A Itália teve seu primeiro caso de morte de um paciente que optou por interromper tratamentos paliativos desde a aprovação da chamada "lei do fim da vida", no fim de 2017.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Patrizia Cocco, 49 anos e portadora de esclerose lateral amiotrófica (ELA), deu permissão para os médicos de um hospital na Sardenha interromperem a ventilação mecânica que a ajudava a continuar respirando.

Cocco, que também foi submetida a uma sedação paliativa profunda, faleceu no último sábado (03/02), ao lado de sua mãe e de outros familiares. "Foi uma escolha de Patrizia, muito lúcida e corajosa", afirmou seu advogado e primo, Sebastian Cocco.

Reprodução/Facebook

Patrizia Cocco era portadora de esclerose lateral amiotrófica 

'Corpo da mulher é última fronteira de conquista do capital', diz historiadora italiana Silvia Federici

Itália: partidos de centro anunciam apoio a Renzi nas próximas eleições

Atirador abre fogo contra imigrantes na Itália

 

Em dezembro passado, o Parlamento da Itália aprovou a lei que regulamenta o chamado "biotestamento", um documento no qual o paciente expressa seu desejo de abandonar o tratamento prescrito pelos médicos, inclusive os paliativos, cujo objetivo não é curar a pessoa, mas apenas fornecer qualidade de vida.

"A nova lei permite aos médicos darem uma imediata execução da vontade do paciente, sem precisar se dirigir a um juiz, como acontecia antes. Assim, Patrizia pôde fazer sua escolha", acrescentou o advogado.

No entanto, a lei do biotestamento não autoriza a eutanásia, que é a prática de abreviar deliberadamente a vida de um indivíduo, geralmente em estado terminal. O projeto encontrou forte resistência no Parlamento, principalmente entre partidos conservadores e grupos religiosos. 

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990