Partido dá a Jacob Zuma até quarta-feira para renunciar à Presidência da África do Sul

rfi - português do brasil
Presidente de 75 anos está enfraquecido após uma série de escândalos de corrupção envolvendo seu nome

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O partido Conselho Nacional Africano (ANC) decidiu na noite desta segunda-feira (12/02) dar um prazo de 48 horas (que termina à meia noite de quarta-feira, hora de Pretória) para que o presidente da África do Sul, Jacob Zuma, deixe o cargo. Acusado de envolvimento em um escândalo de corrupção, o chefe de Estado tenta se manter no poder.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Após nove horas de negociações, os representantes do ANC decidiram dar dois dias para que que Zuma deixe o cargo, segundo informações do canal de televisão local SABC. O presidente de 75 anos está enfraquecido após uma série de escândalos de corrupção envolvendo seu nome.

O chefe de Estado foi substituído na chefia do ANC em dezembro por seu vice-presidente, Cyril Ramaphosa. Desde a semana passada, o vice, está em discussão direta com Zuma para negociar os termos da demissão e assegurar a transição na liderança da África do Sul.

Presidente do Curdistão iraquiano anuncia que não estenderá seu mandato

Vice-premiê da Irlanda renuncia para evitar novas eleições

Acusado de corrupção, presidente sul-africano é pressionado para deixar cargo

 

GovernmentZA

Zuma tem 48 horas, contadas a partir da noite de segunda, para renunciar ao cargo de presidente

O conselho nacional executivo do ANC tem o poder de pedir a demissão de Zuma da presidência. No entanto, o partido tem todo o interesse para que o chefe de Estado se demita sem ser forçado. O equivalente a um impeachment acentuaria as divisões internas do partido, no poder desde o fim do regime do Apartheid, em 1994. 

Segundo a imprensa local, Zuma teria feito uma lista de exigências para deixar o poder. Uma das condições seria sua imunidade.

Essa não é a primeira vez que um presidente sul-africano é pressionado a se demitir. Em 2008, após ser eleito na liderança do ANC, Zuma participou das manobras para afastar Thabo Mbeki da presidência. Desde então, várias denúncias envolveram seu nome. 

(*) Publicada na RFI

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Philip Roth: um escritor aberto ao outro

Aos poucos, a geração de escritores que me formou e que foi decisiva na minha opção por estudar a literatura contemporânea vai terminando; e eu vou ficando cada vez menos contemporâneo

 

Santos anuncia ingresso da Colômbia na OTAN

O presidente e prêmio Nobel da Paz, J. Manuel Santos, escolheu ingressar na historicamente belicista OTAN na mesma semana em que se inicia a etapa final do processo eleitoral colombiano