Israel ignorou lei internacional ao atacar palestinos na cerca com Gaza, diz ONU; número de mortos chega a 60

'Parece que qualquer um pode ser morto ou ferido: mulheres, crianças, imprensa, equipes de primeiros socorros, passantes ou qualquer um que esteja a até 700 metros da cerca', disse órgão

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos afirmou nesta terça-feira (15/05) que Israel ignorou a lei internacional sobre o uso da força ao atacar palestinos que protestavam na cerca com Gaza. O número de mortos nos protestos desta segunda chegou a 60.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“As regras para uso da força sob a lei internacional foram repetidas muitas vezes, mas parecem ser ignoradas repetidamente. Parece que qualquer um pode ser morto ou ferido: mulheres, crianças, imprensa, equipes de primeiros socorros, passantes ou qualquer um que esteja a até 700 metros da cerca”, afirmou o órgão, pelo Twitter, se referindo a Israel.

Em entrevista a repórteres em Genebra, o porta-voz do Escritório, Rupert Colville, explicou, segundo o Guardian, que as leis internacionais deixam claro que “força letal só pode ser usado como último, não como primeiro recurso”.

“O simples fato de se aproximar de uma cerca não é um ato letal ou que coloca risco de vida, de modo que isso não dá autorização para alguém ser baleado”, afirmou. “Não é aceitável dizer que ‘é o Hamas e, por isso, está tudo bem’.” Israel e Estados Unidos dizem que a violência na cerca é causada pelo grupo, a quem consideram ser uma organização terrorista.

Segundo o Ministério da Saúde de Gaza, o total de mortos chegou a 60, após um adolescente de 16 anos ter sido ferido por soldados israelenses. Só nesta segunda, sete menores foram mortos, incluindo uma criança de 8 meses. Desde o início da Grande Marcha do Retorno, em 30 de março, forças de Israel já mataram ao menos 14 crianças e adolescentes.

Reprodução/Twitter

'Parece que qualquer um pode ser morto ou ferido: mulheres, crianças, imprensa, equipes de primeiros socorros, passantes ou qualquer um que esteja a até 700 metros da cerca', disse órgão

Israel lança mísseis contra alvos irarianos na Síria

Irã diz que ataques de Israel à Síria foram 'infundados' e critica 'silêncio' da comunidade internacional

Protestos com mortos e feridos marcam transferência de embaixada dos EUA em Israel para Jerusalém

 

Deficientes físicos também estão entre os mortos. “Quão ameaçador pode um duplo amputado estar fazendo do outro lado de uma cerca fortificada?”, questionou Colville.

Nesta segunda (14/05), os Estados Unidos inauguraram sua embaixada em Jerusalém, o que intensificou os protestos de palestinos.

Condenação internacional

A reação violenta do governo israelense foi condenada por diversos países e órgãos ao redor do mundo. A África do Sul, por exemplo, retirou seu embaixador de Tel Aviv, uma ação de alta voltagem diplomática que expressa forte descontentamento com os atos de Israel. A Irlanda chamou o embaixador israelense em Dublin para dar explicações.

O presidente francês, Emmanuel Macron, ligou para o rei da Jordânia, Abdullah II, e condenou “a violência das Forças Armadas de Israel contra os manifestantes”.

A Turquia, por sua vez, também convocou seu representante diplomático em Israel e Estados Unidos. Segundo o jornal britânico The Guardian, manifestantes pró-Palestina foram às ruas de Istambul protestar contra a violência Israelense.

O governo da China também expressou preocupação. “Pedimos a Israel e Palestina – especialmente Israel – para evitar uma escalada das tensões”, afirmou o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores do país, Lu Kang.

 

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

O primeiro inverno

O outono ensolarado e de gelo faz um negócio com os corpos: ainda que haja tanto frio o calor do sol nos alegra os poros, como se se depositasse feito amante num hotel, deslizando sobre nossa pele