Ditaduras começam com notícias falsas, diz papa Francisco

'Depois vêm os juízes a julgar essas instituições enfraquecidas, essas pessoas destruídas, condenam e assim acontece uma ditadura', afirmou o pontífice durante missa no Vaticano

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O papa Francisco denunciou nesta segunda-feira (18/06), durante a homilia em uma missa na Casa de Santa Marta, residência oficial do pontífice no Vaticano, a utilização de "comunicações caluniosas" para destituir instituições e pessoas e advertiu que é dessa maneira que se chega à "ditadura".


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Começa com uma mentira e, depois de ter destruído uma pessoa ou uma situação com essa calúnia, se julga e se condena. Ainda hoje, em muitos países, se usa esse método: destruir a livre comunicação", disse Francisco. Para exemplificar, o pontífice narrou a história de Nabot, de quem o rei Acab tirou a coroa através de mentiras. Segundo o Papa, esse é o modo como muitas pessoas destituem "tantos chefes de Estado e de governo".

"Por exemplo, pensemos: há uma lei da mídia, da comunicação, se cancela aquela lei; se concede todo o aparato da comunicação a uma empresa, a uma sociedade que faz calúnia, diz falsidades, enfraquece a vida democrática", disse Francisco.

"Depois vêm os juízes a julgar essas instituições enfraquecidas, essas pessoas destruídas, condenam e assim acontece uma ditadura. As ditaduras, todas, começaram assim, adulterando a comunicação, para colocá-la nas mãos de uma pessoa sem escrúpulo, de um governo sem escrúpulo", concluiu.

Wikicommons

'Depois vêm os juízes a julgar essas instituições enfraquecidas, essas pessoas destruídas, condenam e assim acontece uma ditadura', afirmou o pontífice durante missa no Vaticano

França irá acolher parte dos imigrantes do navio Aquarius

Lula: 'estão fazendo injustiça comigo e com o povo brasileiro'

Apoiado por ex-presidente Uribe, direitista Iván Duque é eleito presidente da Colômbia

 

O Papa ainda lembrou de episódios históricos baseados na calúnia e como ela influenciou negativamente. "Pensemos, por exemplo, nas ditaduras do século passado. Pensemos nas perseguições aos judeus. Uma comunicação caluniosa contra os judeus e eles terminaram em Auschwitz", recordou.

O pontífice também condenou os "escândalos" midiáticos. "Comunicar escândalos é algo de uma sedução enorme. Seduzimos com escândalos. As boas notícias não são sedutoras. Mas um escândalo é algo como 'Você viu isso? Viu aquilo?', e não podemos continuar assim". 

*Com ANSA

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

'Trump me disse para processar a UE', afirma May

Após presidente dos EUA declarar que primeira-ministra do Reino Unido ignorou conselho dele sobre o Brexit, líder britânica revela qual foi a sugestão do americano: não entrar em negociações com a União Europeia