Notícia

Reestatização da YPF ganha apoio de Menem a Havana

Ex-presidente, que coordenou a privatização de petrolífera acusa Repsol de não investir no país

Enquanto a Espanha mobiliza o restante da União Europeia para retaliar a Argentina decisão do governo argentino de reestatizar a petrolífera YPF (Yacimentos Petrolíferos Fiscales), a medida tem recebido apoio não somente dos tradicionais setores da esquerda como também, surpreendentemente, do principal responsável pela venda da empresa à Repsol.

Nesta sexta-feira (20/04), o ex-presidente argentino Carlos Menem (1989-1999) afirmou que apoiará a expropriação de 51% das ações da empresa das mãos da multinacional de origem espanhola durante o debate do projeto de lei marcado para a próxima semana no Senado.

"Vou respaldar a nacionalização da YPF", disse Menem em entrevista ao jornal Crónica. O atual senador argumentou que o cenário atual não é o mesmo da época em que promoveu uma onda privatizações de empresas do Estado. E defendeu a tese do governo de que a Repsol não investiu na Argentina, como presidente do país. "Não tenho nada contra os espanhóis, mas a Repsol não investiu nada no país e levou o lucro todo para o exterior. Esse foi o erro deles", explicou.

O ex-governante admitiu saber que será criticado pela decisão de apoiar o projeto do Governo da presidente Cristina Kirchner. No entanto, defendeu que "ninguém vai deixar de investir na Argentina, porque o país está fazendo valer seus direitos".

A sentença da expropriação foi aprovada nesta semana pelas comissões do Senado argentino e passará pelo plenário da Câmara Alta na próxima quarta-feira, para posteriormente ser enviado aos Deputados.

Quem também manifestou apoio foi o governo de Cuba, por meio de notado Ministério de Relações Exteriores. Ela afirma que a Argentina é amparada pelo "direito internacional" e que decisões semelhantes foram adotadas anteriormente pela Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas).

O comunicado ainda recordou que a YPF era originalmente uma empresa estatal argentina que foi privatizada e vendida "por um preço inferior ao real" por Menem. 

Segundo a Chancelaria, a venda fez parte "das medidas neoliberais" que, "com a conveniência dos Estados Unidos, foram impostas a nossa América neste período".

Por outro lado, a União Europeia, os EUA e o FMI criticaram duramente a medida.

(*) com agências internacionais

 

FMI e União Europeia crtiticam reestatização YPF e preveem instabilidade econômica

Reestatização da YPF é uma decisão soberana argentina, afirma Patriota

Expropriação da YPF abre debate sobre política energética argentina

Leia Mais

Outras Notícias

Destaques

Últimas Notícias

Notícias + Lidas

Jovens judeus vivem ruptura com sionismo

Eles não apoiam o Estado de Israel. Mesmo vindo de famílias judaicas tradicionais, seus corações e mentes são solidários à causa palestina. Parentes e amigos reagem com rancor, mas este grupo de jovens rechaça as crenças sionistas