Reestatização da YPF ganha apoio de Menem a Havana

Ex-presidente, que coordenou a privatização de petrolífera acusa Repsol de não investir no país

Enquanto a Espanha mobiliza o restante da União Europeia para retaliar a Argentina decisão do governo argentino de reestatizar a petrolífera YPF (Yacimentos Petrolíferos Fiscales), a medida tem recebido apoio não somente dos tradicionais setores da esquerda como também, surpreendentemente, do principal responsável pela venda da empresa à Repsol.

Nesta sexta-feira (20/04), o ex-presidente argentino Carlos Menem (1989-1999) afirmou que apoiará a expropriação de 51% das ações da empresa das mãos da multinacional de origem espanhola durante o debate do projeto de lei marcado para a próxima semana no Senado.

"Vou respaldar a nacionalização da YPF", disse Menem em entrevista ao jornal Crónica. O atual senador argumentou que o cenário atual não é o mesmo da época em que promoveu uma onda privatizações de empresas do Estado. E defendeu a tese do governo de que a Repsol não investiu na Argentina, como presidente do país. "Não tenho nada contra os espanhóis, mas a Repsol não investiu nada no país e levou o lucro todo para o exterior. Esse foi o erro deles", explicou.

O ex-governante admitiu saber que será criticado pela decisão de apoiar o projeto do Governo da presidente Cristina Kirchner. No entanto, defendeu que "ninguém vai deixar de investir na Argentina, porque o país está fazendo valer seus direitos".

A sentença da expropriação foi aprovada nesta semana pelas comissões do Senado argentino e passará pelo plenário da Câmara Alta na próxima quarta-feira, para posteriormente ser enviado aos Deputados.

Quem também manifestou apoio foi o governo de Cuba, por meio de notado Ministério de Relações Exteriores. Ela afirma que a Argentina é amparada pelo "direito internacional" e que decisões semelhantes foram adotadas anteriormente pela Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas).

O comunicado ainda recordou que a YPF era originalmente uma empresa estatal argentina que foi privatizada e vendida "por um preço inferior ao real" por Menem. 

Segundo a Chancelaria, a venda fez parte "das medidas neoliberais" que, "com a conveniência dos Estados Unidos, foram impostas a nossa América neste período".

Por outro lado, a União Europeia, os EUA e o FMI criticaram duramente a medida.

(*) com agências internacionais

 

FMI e União Europeia crtiticam reestatização YPF e preveem instabilidade econômica

Reestatização da YPF é uma decisão soberana argentina, afirma Patriota

Expropriação da YPF abre debate sobre política energética argentina

 

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Morre embaixador da Rússia na ONU

Vitaly Churkin, de 64 anos, morreu 'repentinamente' em Nova York, anuncia Ministério do Exterior russo; diplomata atuava nas Nações Unidas há mais de uma década

 

Mais Lidas

Destaques

PUBLICIDADE

Notícias + Lidas

Últimas Notícias

Morre embaixador da Rússia na ONU

Vitaly Churkin, de 64 anos, morreu 'repentinamente' em Nova York, anuncia Ministério do Exterior russo; diplomata atuava nas Nações Unidas há mais de uma década

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE