Presidente do Uruguai falta à missa do papa em respeito a "Estado laico"

Lucia Topolansky, senadora e esposa de José Mujica, se justificou pela ausência dizendo que ambos "não são católicos"

Wikicommons
O presidente uruguaio José Mujica explicou que ele e a esposa Lucia Topolansky não compareceram à missa que inaugurou o pontificado de Francisco, no Vaticano, nesta terça-feira (19), porque ambos "não são católicos" e em respeito ao Estado uruguaio, que "é laico".

A Igreja está separada do Estado desde o século passado. Nisso existe um diferencial com o resto da América Latina. Temos um grande respeito, há liberdade de culto, mas não somos devotos. Como o vice-presidente é, o presidente considerou mais oportuno que ele fosse", afirmou à rádio Vorterix a primeira-dama. “Nosso país não viveu o momento como algo central da sociedade, essa é a verdade", continuou.

A também senadora do uruguai comentou o fato de o novo papa ser argentino."É bom que o papa seja rioplatense. Como as coisas sempre recebem uma leitura política, é uma novidade que seja latino-americano". Ela disse que felicita os católicos e, em especial os argentinos, pela escolha. "É fantástico que tome mate e goste do tango".

Topolansky afirmou que lhe chama a atenção que o pontífice tenha mencionado a América Latina como “a Pátria Grande”, uma consigna de setores de esquerda. “Está se tornando comum falar de Pátria Grande. Há um ressurgimento do pensamento dos libertadores”, observou.

O Papa Francisco celebrou hoje a missa inaugural do pontificado. Diversos chefes de Estado compareceram à cerimônia, no Vaticano, como a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, e a do Brasil, Dilma Rousseff. 

Foto:

ONU critica anulação da lei uruguaia que punia crimes ocorridos durante a ditadura

Milhares de uruguaios protestam contra validade de lei de anistia

Uruguai defende legalização da maconha perante ONU

 

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Lugar de fala e a fala do lugar

Eu não posso nunca esquecer que essa palavra que trago como meu ofício de mundo não pode ser menos que o fio afiado da lâmina, mas não qualquer lâmina