Após massacre, Irmandade Muçulmana convoca “sexta-feira de raiva” no Egito

Medida é em represália ao governo interino que liberou utilização de armas letais contra manifestantes

Ainda de luto pelo massacre de mais 600 pessoas, a crise social e política do Egito ganha, cada vez mais, contornos de tensão. Na noite desta quinta-feira (15/08), o governo autorizou as Forças Armadas a utilizarem armais letais contra os manifestantes. Em represália, na manhã de hoje (16), a Irmandade Muçulmana convocou para o país uma “sexta-feira de raiva”.

Agência Efe

Exército se prepara para confronto com manifestantes no Egito

O estado de emergência e o toque de recolher obrigatório amenizaram o clima de violência após massacre. No entanto, diz a imprensa local, existe a promessa de confronto entre os apoiadores do presidente deposto Mohamed Mursi e os favoráveis ao governo interino. A perspectiva é que mais de um milhão de islâmicos saiam às ruas após realizar a oração diária do meio-dia. "Vamos desafiar o estado de emergência", bradaram os manifestantes.

Leia mais:
Massacre no Egito é nova derrota para a democracia

Gehad El-Haddad, porta-voz da Irmandade e um dos poucos dirigentes que não foi detido, admite que os protestos poderão fazer regressar a violência, mas afirma que “depois das detenções e mortes, as emoções estão muito elevadas entre membrosda Irmandade Muçulmana para serem comandadas por alguém”.

Agência Efe

Ainda a contar o número de mortos, a promessa é de uma "sexta-feira de raiva"

Outro ingrediente que promete aumentar a tensão é que a Frente de Salvação Nacional, coligação de partidos liberais que apoiou a deposição de Mursi, pediu aos seus manifestantes para também saírem às ruas. Segundo informações da imprensa europeia, alguns bairros organizam-se para impedir a passagem dos manifestantes islâmicos pelas suas zonas. Cristãos coptas, grupo social importante do Egito, organizam-se para impedir que mais igrejas sejam atacadas.

Justiça da Guatemala rejeita anistia a ex-presidente Ríos Montt

Massacre no Egito é nova derrota para a democracia

Obama critica Egito: “nossa cooperação não continuará enquanto pessoas forem mortas”

 

A comunidade internacional se manifestou sobre a grave crise no Egito. O secretário-geral da OEA (Organização dos Estados Americanos), José Miguel Insulza, expressou nesta quinta-feira (16/08) sua "indignação" pela violência exercida no Egito contra os manifestantes e pediu à comunidade internacional para que ajude a sociedade egípcia "a encontrar caminhos de diálogo e negociação".

Leia mais:
Obama critica Egito: “nossa cooperação não continuará enquanto pessoas forem mortas”

Os membros do Conselho de Segurança da ONU assinalaram ontem (15) sua "preocupação" com a grave situação no Egito e pediram a todas partes o final da violência. Os membros do Conselho "rejeitaram toda forma de violência", disse à imprensa a presidente de turno do órgão a embaixadora argentina, María Cristina Perceval, no final de uma reunião a portas fechadas.

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Facebook: o que acontece com perfis de quem morre?

Na Alemanha, pais de uma adolescente tentam na Justiça acesso à conta da filha morta; processo aberto em tribunal berlinense chama atenção para o problema da herança digital de usuários de mídias sociais