Maioria dos britânicos é contrária à intervenção na Síria

De acordo com pesquisa divulgada neste domingo, 60% da população discorda da ação militar proposta por David Cameron

Aproximadamente 60% dos cidadãos do Reino Unido são contrários à participação de seu país em um possível ataque à Síria, segundo uma pesquisa divulgada neste domingo (01/09) pela publicação The Observer.

A pesquisa foi realizada entre quarta e sexta-feira, antes e depois da votação na Câmara dos Comuns que, no dia 29 de agosto, rejeitou a possibilidade de um ataque contra a Síria, proposto pelo primeiro-ministro David Cameron.

A maioria dos britânicos consultados (60%) se mostrou contrária a uma intervenção militar contra o governo sírio de Bashar al Assad, enquanto 24% afirmaram ser a favor.

Entre os eleitores do Partido Conservador, apenas 34% se mostraram a favor, enquanto 50% disseram ser contra. O respaldo entre os parceiros de Cameron no governo, os liberais democratas, foi um pouco maior, 50% se manifestaram a favor do ataque à Síria e 36% afirmaram ser contra. Entre os eleitores do Partido Trabalhista, que se opôs à intervenção militar no Parlamento, apenas 24% afirmaram ser a favor, enquanto 59% são contra.

Por uma estreita margem (285 votos a 272), a Câmara dos Comuns rejeitou na quinta-feira a possibilidade de o Reino Unido se envolver em uma intervenção militar na Síria.

O primeiro-ministro do Reino Unido foi um dos grandes defensores desse ataque contra a Síria em resposta ao suposto uso de armas químicas contra civis, o que considera um "crime de guerra" e um "crime contra a humanidade".

Missão da ONU não tem condição de definir quem fez ataque químico na Síria, diz perito

Acusar governo sírio por uso de armas químicas é "bobagem imunda", diz Putin

Líder supremo do Irã afirma que intervenção na Síria é "catástrofe certa"

 

Leia Mais

PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias