Notas internacionais: cortes de Bolsonaro na educação repercutem pelo mundo

Possível ida do presidente ao Texas, aniversário de Evita, a situação da Venezuela pós-tentativa de golpe: destaques desta terça, 7 de maio de 2019

Ana Prestes

Brasília (Brasil)

Cortes na Educação repercutem no mundo. O corte na educação do Governo Bolsonaro repercutiu internacionalmente nos últimos dias. O Le Monde publicou ontem (06/05) um manifesto em que mais de mil acadêmicos de universidades do exterior, entre elas Harvard, Sorbonne, Yale e Oxford, protestam contra os cortes das verbas para os cursos das Ciências Humanas. As manifestações de ontem de estudantes, pais e professores no Brasil contra os cortes também repercutiram lá fora.

Bolsonaro vai ao Texas. Parece que Bolsonaro vai sim aos EUA, diferente do que dissemos ontem nestas notas. Mas ele vai a Dallas, no Texas, e não a Nova Iorque. Ainda não está clara qual é a programação e nem se vão transportar o evento de “Pessoa do Ano” da AmCham Brasil para as terras mais amigáveis e conservadoras do Texas, berço dos Bush. Embora Dallas também seja governada por um prefeito democrata, assim como NY, o Texas é conhecido como território de maioria republicana e de uma cultura mais conservadora nos costumes.

Evita faria 100 anos hoje. Aconteceu ontem (06/05), em Buenos Aires, uma manifestação chamada “Evita ou Macrismo”. Eram 100 mulheres caracterizadas como Eva Perón para manifestar apoio a Cristina Kirchner no seu intento de voltar ao poder presidencial nas eleições de 2019. Eva Perón completaria hoje, 7 de maio, 100 anos de vida.

Leopoldo López não pode pedir asilo à Espanha. O oposicionista venezuelano Leopoldo López está abrigado com sua família na residência do Embaixador da Espanha em Caracas, mas soube ontem pelo governo espanhol que não poderá pedir asilo ao país. Segundo o ministro de relações exteriores da Espanha, Josep Borrell, o asilo político só pode ser pedido quando se chega ao território espanhol, sendo que a embaixada não pode ser assim considerada, mas somente o solo espanhol.

Venezuela pós-tentativa de golpe. Ainda sobre a Venezuela, o procurador geral Tarek William Saab informou que resultaram da tentativa de golpe do dia 30 de abril, 5 pessoas falecidas 233 detidas em todo o país.

Reunião do Grupo de Contato na Costa Rica. Começou ontem, na Costa Rica, a terceira cúpula do Grupo de Contato Internacional (GCI) sobre a crise na Venezuela. A cúpula conta com a participação da Alemanha, Bolívia, Costa Rica, Equador, Espanha, França Holanda, Itália, Portugal, Reino Unido, Suécia e Uruguai. O grupo foi criado em 7 de fevereiro no Uruguai e acordou trabalhar por 90 dias em uma proposta. No dia 1º. de maio passado, o GCI manifestou seu apoio a uma solução “política, pacífica, democrática e venezuelana para a crise, nos marcos da Constituição” e sua oposição ao “uso da força”.

Lavrov dá as cartas. Lavrov, ministro das relações exteriores da Rússia e seu homólogo norte americano, Pompeo, se reuniram ontem na Finlândia para tratar, entre outras coisas, da Venezuela. As declarações sobre o encontro foram evasivas de ambas as partes, disseram que foi um diálogo “construtivo” e “decente”. Lavrov voltou a falar após o encontro que uma ação militar dos EUA na Venezuela seria catastrófica e injustificável.

Anya Parampil ficou pop. Um vídeo com um comentário sobre a crise na Venezuela feito pela jornalista Anya Parampil na rede norte-americana Fox News está repercutindo muito em todo o mundo. Entre outras coisas, ela diz: “os meios de comunicação estão mentindo sobre a situação na Venezuela”. Em resumo, ela denuncia as sanções econômicas impostas pelos EUA a Caracas e adverte que Trump está a caminho de outra guerra por petróleo.

Puigdemont autorizado a concorrer ao Parlamento Europeu. O líder independentista da Catalunha, Carles Puigdemont, poderá concorrer a uma vaga no parlamento europeu, segundo decisão do Tribunal Supremo da Espanha.

Coletes Amarelos. Os coletes amarelos da França completaram 25 semanas seguidas em atividade.

Mar do Sul da China. O governo chinês advertiu ontem o governo dos EUA sobre os “atos provocativos” realizados no Mar do Sul da China. Segundo o ministro de relações exteriores da China, Geng Shuang, “a parte chinesa expressa seu forte descontentamento e firme oposição” quanto à presença de destroyers norte-americanos na região. O Mar do Sul da China, localizado no oceano pacífico, é hoje uma das regiões marítimas mais disputadas em todo o mundo. No fundo do mar há reservas de petróleo e gás. A região possui ilhas reivindicadas por Taiwan, Brunei, Vietnam, Malásia e República das Filipinas.

Macedônia do Norte na OTAN. Stevo Pendarovski é o novo presidente da Macedônia do Norte, que recentemente teve seu nome pacificado, após décadas de conflito com a Grécia que possui uma região denominada Macedônia e sua capital Tessalônica, terra de Alexandre, o Grande, considerado por muitos o maior grego de todos os tempos. Com o novo governo, a Macedônia do Norte pode vir a tornar-se o 30º estado membro da OTAN.

Socialistas latino-americanos defendem a Venezuela. A Coordenação Socialista Latino-americana (CSL), entidade formada por partidos socialistas e movimentos políticos de 11 países da América Latina e Caribe, entre eles o PSB e o PT do Brasil, reuniu-se no último domingo (5) na cidade de Lima, no Peru e emitiu uma “Declaração de Lima”. No documento, os socialistas tratam da crise na Venezuela, defendem os princípios da autodeterminação dos povos e criticam o Grupo de Lima por buscar “subverter a democracia e a institucionalidade” na Venezuela.

Trump contra a China. A elevação de tarifas de produtos chineses por parte dos EUA fez com que as ações chinesas nas bolsas de valores mundo afora caíssem substantivamente ontem (06/05).

Prefeitos pelo clima. Em carta aberta, prefeitos de 210 cidades europeias pedem aos chefes de governo e Estado da União Europeia para que elaborem e coloquem em prática uma estratégia climática de longo prazo. Haverá uma reunião sobre o tema na quinta (09/05), em Sibiu, na Romênia.

EUA avançam contra o Irã. O conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, John Bolton, anunciou em comunicado o envio do porta aviões Abraham Lincoln para região próxima ao Irã. No último 1º de maio, o vice-ministro de Relações Exteriores do Irã, Seyed Abbas Araqchi, advertiu sobre a possibilidade de enfrentamentos entre forças iranianas e estadunidenses no Golfo Pérsico.


Comentários