Cuba mantém recorde e registra uma das menores taxas de mortalidade infantil do mundo

Dados superam os dos EUA e foram obtidos apesar do bloqueio que atinge a ilha; a cada minuto, 11,8 crianças menores de 5 anos morrem no mundo, segundo a Unicef

Vanessa Martina Silva

Enquanto a Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) redefine a meta global, prevista para 2015, de reduzir a mortalidade infantil em um terço, adiando o objetivo por 11 anos, Cuba comemora uma das mais baixas taxas de morte de crianças menores de cinco anos do mundo. A cifra de 4,2 mortos por mil nascidos vivos foi alcançada no final de 2013 graças ao trabalho realizado pelas equipes de médicos e enfermeiras da família é a menor da história da ilha caribenha.

Guerrero Ocaña, Maylin| Granma

Atendimento a bebês prematuros e desnutridos é um dos fortes do programa cubano

Os números foram revelados pelo jornal oficial Granma na última sexta-feira (02/01) e são atribuídos pelo pediatra e chefe do departamento do Programa Materno Infantil do Ministério de Saúde Pública cubano, Roberto Álvarez Fumero, em entrevista ao periódico, ao trabalho realizado ao longo de 2014 que generalizou o uso de progesterona a todas as gestantes com risco de parto prematuro e ao avanço na assistência às mulheres grávidas feita pelo programa de saúde estatal.

Leia mais: Fim do embargo dependerá de pressão da América Latina e da sociedade dos EUA, diz Raúl Castro

Hoje, entre as maiores causas de morte de crianças menores de um ano em Cuba estão doenças originadas no período pré-natal, defeitos congênitos e doenças genéticas, além das infecções.

Os dados são resultado do Sistema de Saúde cubano, afirma Fumero. Por meio do Programa Médico e Enfermeira da Família, mulheres grávidas de todo o país são acompanhadas em todas as etapas da gestação, explica. Também é realizado acompanhamento com assessores genéticos no atendimento primário à saúde, ressalta o médico.

Dilbert Reyes Rodríguez| Granma

Prorama Médico e Enfermeira da Família permite o atendimento de gestantes e recém-nascidos em qualquer parte do país

Foi verificada ainda uma melhora na taxa de mortalidade materna. Há três anos não ocorrem mais do que 27 mortes de mulheres diretamente relacionadas à gravidez, parto ou pós-parto. Fumero ressalta que os resultados são decorrentes do resgate do atendimento primário.

O resultado coloca a ilha caribenha, que há mais de 50 anos resiste ao bloqueio econômico e comercial imposto pelos Estados Unidos e que atinge os setores médico e farmacêutico do país, como um dos países com melhor resultado neste quesito em todo o mundo, como confirmam os dados do Banco Mundial.

 

 
Data from World Bank

 

Apesar de apresentar números diferentes do divulgado pelo governo cubano, o Banco Mundial confirma os avanços da ilha. De acordo com o organismo internacional, em 2013, Cuba apresentou uma taxa de 6 mortos por mil nascidos vivos.

Leia mais: Banco Mundial diz que Cuba tem o melhor sistema educativo da América Latina e do Caribe

Desta forma, a ilha tem resultado superior a países desenvolvidos como os Estados Unidos, com 7 mortos a cada mil nascidos vivos; e ocupa a 40ª posição no ranking global à frente de países em desenvolvimento, como o Brasil, na 74ª posição (14/1000 nascidos vivos), Argentina 73ª posição (14/1000 nascidos vivos) e África do Sul, na 134 ª posição (44/1000 nascidos vivos).

Guerrero Ocaña, Maylin| Granma

Em 24 municípios cubanos não foi registrada nenhuma morte de crianças com menos de cinco anos

Meta só para 2026

Os dados verificados em 2013 fizeram a Unicef adiar a meta estipulada pela ONU de reduzir a mortalidade infantil em dois terços até o fim de 2015, em linha com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, estabelecidos em 2000.

Apesar de ter sido reduzida pela metade, a mortalidade infantil não atingiu a meta de 31 para cada mil nascidos vivos – o número era de 93 mortes/1000 em 1990 e hoje é de 45,6/1000. Desta forma, a meta foi fixada novamente para 2026.

Atualmente, 17 mil crianças abaixo dos cinco anos morrem todos os dias no mundo – 11,8 por minuto, de acordo com números divulgados recentemente pela Unicef.

Comentários