Absolvição de acusado de matar jovem negro leva milhares às ruas dos EUA

Manifestações em repúdio à sentença aconteceram em diversas cidades do país. Ex-vigia atirou em Trayvon Martin em 2012

Redação

Manifestantes foram às ruas nos Estados Unidos neste domingo (14/07) e na manhã desta segunda-feira (15/07) após o vigilante George Zimmerman ter sido absolvido por assassinar um jovem negro desarmado. A maioria dos protestos foi pacífica e pedia justiça para a família de Trayvon Martin, 17 anos, além de questionar o sistema legal.

Efe

Manifestantes em Atlanta, no Estado da Geórgia, protestam contra veredicto do caso Trayvon Martin, adolescente morto ano passado

A maior manifestação aconteceu em Nova York, onde uma pequena marcha atraiu mais manifestantes e se transformou em uma passeata de milhares. No domingo, o presidente dos EUA, Barack Obama, pediu calma e reflexão após o veredicto. Ele reconheceu que o caso provocava "fortes paixões", mas disse: "Somos uma nação de leis, e um júri fez uma decisão."

O Departamento de Justiça afirmou que investiga se Zimmerman pode ser julgado por outras acusações. O vigilante havia sido acusado de homicídio duplamente qualificado por causa da morte do adolescente em 2012.

Em Los Angeles, os manifestantes bloquearam o trânsito e várias rodovias ficaram fechadas. Foram registrados casos de violência policial. A polícia tentou manter a multidão em trajetos organizados, mas os manifestantes abriram caminho em frente a escritórios na praça. "Eu sinto que se não intensificarmos (os protestos) teremos problemas", disse Prince Akeem, 20 anos, morador do Bronx. "Jovens negros são o alvo e temos que nos levantar, nos levantar contra os policiais."

Durante o julgamento, a família de Martin sustentou que ele não era um agressor, e os promotores sugeriram que ele estava assustado por estar sendo perseguido por um estranho. Os advogados de defesa, no entanto, disseram que Martin bateu em Zimmerman e batia a cabeça de Zimmerman contra o meio-fio e por isso o vigilante disparou contra ele.

Comentários