Pelo 32º ano, EUA mantêm Cuba na lista de países "patrocinadores do terrorismo"

Pelo 32º ano, EUA mantêm Cuba na lista de países "patrocinadores do terrorismo"

Redação

Mesmo considerando que Cuba não proporciona armas, nem treino paramilitar para grupos terroristas, o relatório anual do Departamento de Estado dos EUA, apresentado nesta quarta-feira (30), manteve a ilha na lista de países que “patrocinam o terrorismo”. Irã, Sudão e Síria também integram a relação.

Agência Efe

Cuba prepara tradicional comemoração de 1º de maio na Praça da Revolução, em Havana

No documento consta que o Cuba deu refúgio a guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), mas reconhece seu papel mediador no processo de paz levado a cabo em Havana entre a guerrilha e o governo colombiano.

O documento também critica a relação da ilha com membros da ETA, mas pontua que em 2013 os laços com o grupo basco foram afrouxados e que cerca de oito das duas dúzias de membros da ETA em Cuba mudaram de localização com a “cooperação do governo espanhol".

Como nos anos anteriores, o documento assinala, que "não há indícios de que o governo de Cuba tenha proporcionado armas ou treino paramilitar a grupos terroristas".

Rechaço internacional

A classificação é alvo de diversas críticas por parte da comunidade internacional. Em janeiro, durante a 2ª Cúpula da Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac), todos os países da América Latina e Caribe manifestaram rejeição à medida.

A manutenção de Cuba na lista justifica a imposição de sanções como a proibição da venda e exportação de armas e impede que o país tenha acesso aos recursos do Banco Mundial e de outros órgãos internacionais. 

Em 2013, a Assembleia Geral da ONU aprovou, pela 21ª vez, a condenação ao embargo econômico imposto pelos Estados Unidos à ilha caribenha. A resolução foi aprovada com 188 votos a favor, três contra e duas abstenções.

Comentários